Search Here!!!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

René Simões, o treinador de Futebol que dobrou os Rastafaris


Treinador que virou heroi ao levar a seleção Caribenha da Jamaica à Copa do Mundo resistiu a assumir o cargo e mudou a relação dos jogadores com a maconha.

Emirados Árabes, Qatar, Honduras, Costa Rica, Tinidad & Tobago, Portugal foram alguns dos países onde o técnico René Simões trabalhou. Nenhum deles, no entanto, tem um lugar especial em sua vida como a Jamaica. Em 1994, o treinador assumiu uma seleção praticamente amadora e a classificou para a Copa do Mundo de 1998. Da resistência em assumir o cargo até deixar o país em 2000 foram inúmeras histórias prontas para virarem um livro, como René revelou no “Redação SporTV” da última segunda-feira (assista ao vídeo).

A Jamaica surgiu no caminho de René Simões por uma questão geopolítica. Na década de 90 o Brasil já pleiteava uma vaga no Conselho de Segurança da ONU. Para angariar o voto dos países caribenhos, o Itamaraty ofereceu projetos de cooperação técnica em muitas áreas. Os jamaicanos escolheram o futebol. Queriam um treinador que fosse o gestor do esporte no país. No currículo deveria constar a língua inglesa, curso universitário, experiência profissional no exterior e passagem pela Seleção Brasileira. Então presidente da Academia Brasileira de Futebol, o ex-árbitro e jornalista Manoel Espezim Neto foi contactado e indicou René, que lecionava na entidade. O treinador rejeitou o convite:

- Eu não queria ir. Havia estado lá em 1988, com a Seleção Brasileira sub-20, para fazer um amistoso. O futebol não existia. Tinha árvore no meio do campo de futebol, vacas...

Passado um tempo, Espezim estava fora do Rio de Janeiro e pediu que René recebesse o presidente da Federação Jamaicana de Futebol, Horace Burrell, que veio ao Brasil escolher o seu treinador. Durante o trajeto do aeroporto para o hotel, o dirigente, imaginando que conversava com um mero chofér, perguntou pelo “Professor Simões”. O treinador se apresentou, para a surpresa de Burrell. Reafirmando a recusa em aceitar o cargo, René escreveu em um guardanapo os dez pontos que considerava fundamentais para levar o país à Copa do Mundo. Dentre os quais, patrocínios de uma companhia de alimentação, companhia aérea para transportar o time, uma concentração permanente e muita firmeza no comando.

O conteúdo daquele guardanapo convenceu o dirigente. Após entrevistar quatro treinadores, Horace insistiu em René Simões. Mas o treinador continuou relutante até o Itamaraty o convencer. René assumiu a missão de comandar desde as categorias de base até o time principal da ilha caribenha.

- Fui o gestor do futebol na parte filosófica, administrativa e prática. Tínhamos uma salinha num ginásio e quando eu saí de lá tínhamos quatro andares de um edifício. Lá havia aquele absurdo como na CBF, de contratar um treinador da sub-17 somente na época da competição. Contratei treinadores de todas as categorias de base que trabalhavam de maneira vertical, como o Barcelona diz que faz, e na horizontal. O cara da sub-13 tinha que acompanhar todos os campeonatos da categoria no pais. E eles estavam interligados. O da sub-13 era auxiliar do sub-15, que era auxiliar da sub-17.

René resgatou jogadores que trabalhavam em hotéis como carregadores de malas e barmen. Angariou patrocinadores e conseguiu montar uma seleção permanente. Entre a preparação e a Copa do Mundo viajou 28 países e disputou 180 partidas.

Na Jamaica, René Simões se deparou com a imagem que o mundo tem do país, graças aos rastafaris, que são apenas 2% da população. Dos 20 jogos que disputou nas eliminatórias para a Copa da França, em pelo menos 15 foram pedidos exame antidoping para maconha. O que para o treinador era ótimo, pois não pairava dúvidas alguma. Quando René chegou, os exames eram internos, alguns dias antes dos jogos. O atleta que fosse pego era afastado e depois reintegrado ao time.


Fonte: Globo Esporte

Sem comentários:

Enviar um comentário

Diz o que pensas...