Search Here!!!

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Extratos não-psicoativos da cannabis podem reduzir as crises convulsivas em pacientes com epilepsia


Da esquerda para a direita, Dr Gary Stephens, Dr Ben Whalley e Dr Claire Williams

Extratos de maconha reduzem crises convulsivas em pacientes epiléticos
Compostos não-psicoativos da cannabis diminuíram não só o número, mas também a severidade das convulsões.

Três diferentes extratos não-psicoativos da cannabis podem reduzir significativamente as crises convulsivas em pacientes com epilepsia. A descoberta é de pesquisadores da Universidade de Reading, no Reino Unido.

Resultados mostram que compostos derivados da maconha podem reduzir não só o número, mas também a gravidade das convulsões nesses pacientes.

A epilepsia afeta cerca de 1% da população mundial e aproximadamente 30% das pessoas com epilepsia têm convulsões que não são controladas por drogas anticonvulsivantes convencionais. Além disso, estas drogas são associadas com efeitos colaterais motores e cognitivos significativos que afetam negativamente a qualidade de vida dos indivíduos dependentes de seu uso diário.

A equipe de pesquisa, liderada por Ben Whalley, Claire Williams e Gary Stephens, decidiu avaliar se os compostos individuais derivados da cannabis, conhecidos como canabinoides, poderiam fornecer uma solução para alguns dessas convulsões difíceis de tratar.

O grupo publicou recentemente resultados altamente promissores que demonstram que três diferentes compostos não-psicoativos isolados da planta cannabis tem potencial para serem usados no controle terapêutico de crises em epilepsia.

Canabidiol, D 9 -tetrahydrocannabivarin e GWP42006 foram mostrados para reduzir significativamente o número e a gravidade das crises convulsivas em ratos.

" Esperamos que estes resultados conduzam a tratamentos novos, melhores e mais bem tolerados para a epilepsia, reduzindo o número e a gravidade dos episódios convulsivos."

Embora a cannabis seja usada clinicamente e recreativamente há milhares de anos, somente em 1960 o componente psicoativo da maconha, D 9 -THC, foi identificado.

Posteriormente, outros componentes foram isolados e identificados e um pequeno estudo realizado durante o início dos anos 80 sugeriu que pelo menos um destes componentes pode ser útil no controle das crises. No entanto, esta conclusão inicial não havia sido devidamente acompanhada e ampliada até o presente momento.

Fonte: isaude.net

Sem comentários:

Enviar um comentário

Diz o que pensas...