Search Here!!!

sexta-feira, 22 de março de 2013

Mais de 8500 doses de haxixe apreendidas


Operação da GNR, que envolveu oito buscas domiciliárias e seis buscas a veículos, levou à detenção de cinco homens e à apreensão de droga.


A Guarda Nacional República, através da Secção de Investigação Criminal do Comando Territorial de Coimbra, anunciou esta sexta-feira a detenção de cinco homens e a apreensão de mais de 8500 doses individuais de haxixe.
A operação, que decorreu na manhã de quinta-feira, envolveu oito buscas domiciliárias e seis buscas a veículos, explica a GNR em comunicado.

A força policial apreendeu "8579 doses individuais de haxixe, 38,3 gramas de folhas de canábis, uma arma de caça de canos sobrepostos (com o número de série rasurado), uma pistola elétrica, uma embalagem de gás neutralizante, uma embalagem de gás CS (lacrimogéneo), uma pistola de 'softair', quatro veículos ligeiros, três ciclomotores, dois computadores portáteis, 22 telemóveis, 2.665 euros em numerário, uma estufa de canábis e ainda diverso material relacionado com o tráfico de substâncias estupefacientes".

As buscas, em "localidades próximas da cidade de Coimbra", prolongaram-se durante toda a manhã e surgiram na sequência de uma "investigação relacionada com tráfico de estupefacientes, que decorre há aproximadamente um ano".

Os detidos foram hoje presentes ao Departamento de Investigação e Ação Penal, em Coimbra, para primeiro interrogatório judicial, desconhecendo-se ainda eventuais medidas de coação.

domingo, 17 de março de 2013

Quatro usos ecológicos inusitados da cannabis

Da fibra de cânhamo, obtida a partir do caule da planta, saem excelentes materiais de construção e artigos manufaturados, que estão caindo nas graças de grandes empresas. 

A legalização da maconha é um assunto recorrente nesses tempos de crise econômica, quando governos enxergam na droga uma alternativa para engordar os cofres públicos com tributos. É o caso de Colorado e Washington, os primeiros estados a legalizarem a posse e a venda de maconha para uso recreativo nos Estados Unidos (a maconha é liberada em 14 estados americanos para fins medicinais). 

Deixando as polêmicas de lado, a Cannabis presta-se a usos ecológicos inusitados. Da fibra de cânhamo, obtida a partir do caule da planta, saem excelentes materiais de construção e artigos manufaturados, que têm caído nas graças de grandes empresas. Confira a seguir algumas vocações sustentáveis da planta.

P, M ou G ?

A fibra de cânhamo, obtida a partir do caule das plantas, tem sido usado na fabriação de tecidos há milênios, mas só agora suas propriedades ecológicas estão ganhando visbilidade. Pesquisadas mostram que seu cultivo é uma excelente alternativa ecológica ao algodão, por não necessitar de muita água e dispensar uso de fertilizantes e pesticidas. De olho nesse potencial e na sua própria imagem, a rede de fast-fashion britânica H&M lançou este ano uma linha de roupas feitas com materiais sustentáveis, inlcuindo a fibra de canhâmo orgânico.

Tijolo ecológico

E que tal construir uma casa com tijolos feitos a partir da cannabis? Acredite, essa é uma opção viável e com suas vantagens para o meio ambiente. A empresa britânica Tradical lançou em 2010 um concreto produzido com cal, água e fibras do cânhamo, que em seu processo de cultivo apresenta altas taxas de absorção de CO2.

Para cada metro cúbico (m³) de parede construída, o Hemcrete, como foi chamado o tijolo verde, seria capaz de remover 110 kg de CO2, segundo seus fabricantes.

Além disso, o material é versátil, podendo ser aplicado em diversas etapas da construção, do isolamento do teto e acústica à pavimentação, além de ser totalmente reciclável. A solução foi usada em paineis de cobertura de uma nova loja da gigante do varejo britânica, Maks & Spencer, em Ellesmere Port, no Reino Unido.

Carros turbinados

Atenta à tendência no uso de tecnologias limpas pela indústria automobilísticas, a empresa canadense Motive Inc criou o que chama de “primeiro veículo de carroceria bio-composta" do Canadá. Trata-se do Ketrel, um carro compacto e estiloso com uma característica peculiar: sua carroceria é composta de um material produzido com esteiras de cânhamo.

Segundo a empresa, além de resistente, a solução ajuda a reduzir o peso do veículo, em comparação com outros materiais comumente usados na carroceria, como fibra de vidro. A vantagem é que, ao se tornar mais leve, o carro passa consumir menos combustível.

Eco Elise

Até os grandes estão de olho no material alternativo. Em 2008, a fabricante de automóveis esportivos Lótus projetou uma versão verde de um de seus modelos clássicos, o Elise. Na repaginada ecológica, o painel, os bancos, carpete e parte da corroceria foram feitos a partir da fibra de cânhamo.

Bicombustível

Às várias utilidades da folha da maconha que estão em estudo, adicione mais uma: a de biocombustível. Pesquisadores da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, descobriram que a fibra da Cannabis sativa, conhecida como o cânhamo industrial, tem propriedades que a tornam viável e atraente como matéria-prima para a produção de biodiesel. Durante testes de laboratório, 97% do óleo extraído da semente da planta foi convertido em biodiesel.

Outra vantagem da erva, segundo os pesquisadores, reside na capacidade dela crescer em solo pobre e de baixa qualidade, o que afasta a necessidade de cultivá-la em lavouras especiais destinadas ao plantio de alimentos.

Fonte: Exame  

Fibras Naturais

O Mundo será Verde

A edição verde da Revista Superinteressante traz uma matéria incrível sobre "A Revolução das Cidades".  

Biodiesel de maconha criado por cientistas


Cientistas criam biodiesel de maconha
Planta cresce até em solo infértil; combustível aproveita 97% do óleo da semente


Plantação de maconha industrial na França; planta, que será usada na fabricação de biodiesel, pode ser cultivada em solo infértilPlantação de maconha industrial na França; planta, que será usada na fabricação de biodiesel, pode ser cultivada em solo infértil

Pesquisadores da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, descobriram que a fibra da Cannabis sativa (nome científico da maconha), chamada de cânhamo industrial, tem propriedades que a tornam uma matéria-prima viável e atraente para a produção de biodiesel, um combustível sustentável feito de plantas renováveis. 

O combustível feito de maconha apresentou uma alta eficiência de conversão – 97% do óleo foi convertida em biodiesel – passou em todos os testes do laboratório e até apresentou propriedades que sugerem que pode ser usado em temperaturas mais baixas do que qualquer biocombustível do mercado. 

A capacidade da planta de crescer em solo infértil também diminui a necessidade de cultivá-la em lavouras, que podem ser usadas para o plantio de alimentos, explica Richard Parnas, professor de química, de materiais e de engenharia biomolecular, que chefiou o estudo. 

O cânhamo industrial é plantado em muitas partes da Europa e da índia. A fibra do caule da planta é forte e, até o desenvolvimento de fibras sintéticas nos 1950, era o principal produto usado em todo o mundo para fazer cordas e roupas. 

Hoje, em alguns países, a Cannabis ainda é usada como uma fibra, principalmente por não precisar de muita água e de fertilizantes. Mas as sementes, que contêm os óleos naturais da planta, geralmente são jogadas fora. 

Parnas diz que são exatamente elas que podem ser usadas para virar combustível. O cientista explica que “alguém que planta cânhamo consegue produzir combustível suficiente para fornecer energia para toda a fazenda a partir das sementes”. 

Com a ajuda de seus alunos, Parnas usou óleo de semente de maconha virgem para criar biodiesel por meio da transesterificação, o processo mais usado atualmente para a produção de biodiesel. O grupo testou as características do combustível no laboratório de testes do Centro de Ciências Ambientais e Engenharia da universidade. 

Recentemente, a universidade americana patenteou um sistema de reator que pode ser adaptado para fazer biodiesel a partir de várias matérias-primas, incluindo a maconha. 

Parnas e sua equipe deverão construir uma fábrica de biodiesel, bancados pelo Departamento de Energia americano. O reator será capaz de produzir até 200 mil galões de biodiesel por ano. Embora essa quantidade seja pequena em relação aos reatores de biodiesel comerciais, a principal tarefa da instalação será testar novas formas de produzir o combustível. 

Fonte: R7 

domingo, 10 de março de 2013

Vencedores do cannabis cup 2012



O "High Times Cannabis Cup 2012" decorreu sem problemas grande (como a invasão de 2011). Green House Coffeeshop ficou em primeiro lugar na Copa Cannabis com a sua bomba Flor Kush. E o organizador Colorado Amendment 64, Mason Tvert, recebeu o lutador da liberdade do ano. Lista completa dos vencedores, bem como de vídeo de entrada e Copa destaques estão abaixo.

THE CANNABIS CUP
1st Place – Flower Bomb Kush from the Green House Coffeeshop
2nd Place – Shoreline from the Green Place
3rd Place – Evergrey from the Grey Area

BEST GLASS
1st Place – Drill Bill from Roor Glass
2nd Place – Puk Pipe from Puk Pipe
3rd Place – The MF Doom Borch from DNA Genetics and Hitman Glass

BEST PRODUCT
1st Place – Big Buddha Seeds Goodie Bag from Big Buddha Seeds
2nd Place – PUFFiT Inhaler/Vaporizer from VapoShop and Discreet Vape
3rd Place – Tiny Sister from Roor

SEED COMPANY
INDICA
1st Place – Kosher Kush from Reserva Privada
2nd Place – True OG from Elemental Seeds
3rd Place – SFV OG Kush from Cali Connection

SATIVA
1st Place – Amnesia Haze from Soma’s Sacred Seeds
2nd Place – Sour Amnesia from Hortilab
3rd Place – Green Shack from Strain Hunters Seedbank

HYBRID
1st Place – Loud Scout from Loud Seeds
2nd Place – Rock Star from Bonguru Seeds
3rd Place – Rug Burn OG from Rare Dankness Seeds

HASH
1st Place – The Wheezy from Reserva Privada
2nd Place – Tangerine Compound from Rare Dankness Seeds
3rd Place – The Tangie from DNA Genetics

CBD AWARD – Lion’s Tabernacle from Cali Connection













O homem que descobriu que a maconha cura câncer de pele

A Maconha foi legalizada no Japão






Suco de Maconha cura tumor cerebral em bebê



Esse é mais um conteúdo de primeira linha que demonstra uma corrente defensora do chá de folha de cannabis para curas de doenças como o câncer. Dê play e Compartilhe essas informações ao maior número de pessoas que você puder:  






Maconha Medicinal


Quando falamos em maconha medicinal existe um grande equívoco por parte da sociedade que logo pensa apenas no ato de fumar as flores para ficar ‘chapado’, esquecendo a terapia com alimentos decannabis ou até mesmo tratamentos que envolve maconha que não te dá a “sensação de alta”, característica de quem fuma maconha.

O garoto David Sabach, de 12 anos virou notícia, depois da divulgação do seu tratamento contra o câncer que é a base de um tipo especial de maconha, desenvolvida por cientistas israelenses conhecida como “maconha sem barato”.

Em sua casa, em Israel, David guarda fotografias que são um registro dramático de seu estado há dois anos. Na época, por causa da quimioterapia, ele perdeu todo o cabelo e seu peso chegou a metade do que é hoje.

"Eu costumava tomar morfina para a dor, mas o efeito não durava mais que alguns minutos", conta o menino. Hoje, David recebe doses da maconha especial, adicionada a chocolates, biscoitos e bolos. "O efeito da cannabis dura todo o dia. Sinto-me muito melhor. Finalmente, posso andar sem chorar por causa da dor nas pernas", diz.

A maconha medicinal tem sido usada em Israel desde os anos 90 para o tratamento de uma série de doenças, entre elas câncer, Mal de Parkinson, esclerose múltipla e síndrome de Tourette. Recentemente, porém, cientistas ligados à empresa Tikkun Olam desenvolveram um tipo especial dessa maconha neutralizando a substância THC(tetrahidrocanabinol), que gera os efeitos cognitivos e psicológicos da droga.

Além disso, a nova variedade da planta tem uma concentração mais elevada da substância canabidiol (CBD), um poderoso anti-inflamatório.

Tipos de Cannabis





A cannabis é divida em 3 tipos, Sativa, Indica e Ruderalis. A distinção entre as espécies encontra-se através de seus modos de crescimento, as características de suas sementes e a diversidade da estrutura de suas fibras. Embora todas as três espécies possuem canabinóides seus grupos se estabelecem de formas diferentes.





Maconha no Rio de Janeiro tem selo de qualidade




Em 2011 a polícia apreendeu mais de meia tonelada de maconha no morro da Serrinha, em Madureira, zona norte do Rio. A droga estava escondida dentro da garagem de uma casa e tinha selo do Bob Marley para garantir a “qualidade”. 




Prefeito de Nova York pretende descriminalizar a cannabis ainda este ano





Buscando ganho político, o prefeito Bloomberg "relaxa" lei de Nova York para maconha

Em seu último ano de governo, prefeito anuncia que pessoas flagradas com pequenas quantidades não terão mais de passar a noite na cadeia.

Durante seu último discurso anual sobre o estado da cidade de Nova York, o prefeito Michael Bloomberg anunciou que usuários de maconha flagrados com pequenas quantidades não terão mais de passar a noite na cadeia.

 O comunicado surgiu após meses de polêmica entre o prefeito e críticos da tática policial de revistar suspeitos em bairros pobres e não representa uma mudança ampla na legislação, que já descriminalizou o porte de pequenas quantidades no Estado desde 1977. 

Assim, a medida pode ser interpretada mais como uma ação politicamente estratégica para suavizar a imagem de Bloomberg do que uma verdadeira mudança na celebrada política de tolerância zero ao crime, responsável por tornar Nova York novamente segura e até o centro do movimento de renascença dos centros urbanos dos EUA. 

América Latina questiona política antidroga dos EUA


Legalização da maconha nos Estados de Washington e Colorado aumenta dúvida sobre eficácia da repressão em países da região.

A legalização da maconha, por referendo, em dois Estados americanos - Washington e Colorado - dá uma nova força para países da região, como o Uruguai, que caminham para a regulamentação da droga para minar a ação do crime organizado. "A tendência é a legalização", disse Jorge Castañeda, ex-chanceler mexicano, defensor da descriminalização.

A decisão tomada pelos eleitores de Washington e Colorado colocou os dois Estados em rota de choque não só com o governo federal, mas também com os tratados internacionais que definem a maconha como uma substância proibida.

Um passo menor foi dado em Massachusetts, por exemplo, que aprovou em referendo o uso medicinal da maconha, o que colocou o Estado ao lado de outros 17 - mais Washington D.C. - que permitem o uso limitado da erva. Nesta semana, diplomatas dos EUA em vários países da América Latina, garantiram que o governo do presidente Barack Obama se manteria firme contra os esforços estaduais para suavizar as leis de antidrogas.

"O governo do presidente é totalmente contra qualquer iniciativa que enfraqueça as regras ou as leis a respeito da venda ou da oferta de drogas ilegais", afirmou Michael McKinley, embaixador dos EUA na Colômbia.

No entanto, políticas contraditórias, nos níveis estadual e federal nos EUA, podem abrir as portas para um novo debate sobre o assunto. "Politicamente e simbolicamente, o que ocorreu é algo muito forte. Meu palpite é que isso acelerará os esforços de alguns países para ter um regime legal de maconha", disse Alejandro Hope, ex-funcionário do serviço de inteligência do México, que estuda o impacto econômico do contrabando de maconha no país.

O Uruguai, liderado por José Mujica, um ex-guerrilheiro de esquerda, foi o país que mais avançou em direção à legalização. Em agosto, o governo mandou ao Congresso emenda de lei que formaliza a venda de maconha, que teria o monopólio do Estado. "No Chile, também há um projeto no Congresso. A Argentina também pode seguir o mesmo caminho. Isso irá do Sul para o Norte", disse Hope, que acredita, contudo, que a mudança ainda levará anos, não meses.

Castañeda concorda e diz que a legalização da maconha continua a ser um problema gigantesco cujo debate só mudará com o tempo. Especialistas, no entanto, acreditam que a maior dificuldade para os países que estudam a legalização seriam os tratados internacionais que incluem a maconha como substância ilegal.

"É uma violação direta da Convenção de 1961 da ONU sobre estupefacientes", disse Martin Jelsma, pesquisador holandês do Transnational Institute, centro que defende políticas menos punitivas contra as drogas.

Jelsma diz que os países teriam de encontrar uma maneira de conciliar suas leis com a convenção, que tem cerca de 190 signatários. Alguns podem optar por seguir o caminho da Bolívia, que disse, no ano passado, que denunciaria o tratado em protesto contra o fato de a ONU classificar a folha de coca como substância ilegal.

Os esforços americanos para pressionar outros países a reprimir o comércio da maconha tendem a enfraquecer, segundo Kasia Malinowska-Sempruch, diretora da Open Society Foundation, de Nova York, grupo financiado por George Soros. "Realmente é uma virada no jogo que coloca os EUA em uma posição diferente", disse. "Certamente, o paradigma está mudando."

De acordo com Jelsma, se Estados americanos, como Washington e Colorado, conseguirem impor um regime de controle da maconha que não cause uma explosão do consumo, isso poderá virar uma bola de neve e afetar toda a América Latina.

Vários líderes latino-americanos já criticaram publicamante a política antidrogas dos EUA, incluindo os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, do Brasil, César Gaviria, da Colômbia, e Ernesto Zedillo, do México - recentemente, o coro engrossou com a chegada de Vicente Fox, ex-presidente mexicano.

Para Castañeda, a pressão dos EUA para que os países da região combatam o narcotráfico parecerá inconsistente caso alguns Estados americanos legalizem a maconha. "Será cada vez mais contraditório que tenhamos 60 mil mortos no México enquanto os americanos optam pela legalização."

Por unanimidade, Senado apoia o cânhamo legalizado em Kentucky - Eua




O Comitê do Senado sobre Agricultura reuniu-se em Frankfort em fevereiro e por unanimidade decidiram com votos aprovar a Lei do Senado 50. 

O projeto de lei é licenciar agricultores Kentucky para cultivar o cânhamo sem restrições federais para impedir. 



Policial do Estado de Kentucky , Rodney Brewer expressou suas preocupações com a legalização do cânhamo.

"Ouvimos dizer que você não pode dar onda o cânhamo. Mas pode dar onda sim, o cânhamo", diz Brewer.

Brewer diz cânhamo é muito semelhante à maconha. Ele acredita que a legalização levaria a mais a criminalidade na comunidade.

"No ano passado, Kentucky foi erradicada em $441.000 em pés de maconha ilegais e prendeu 524 pessoas por cultivo de maconha", diz Brewer.

Os defensores do cânhamo se sentem confiantes que os cultivos de cânhamo será regularizado. Muitos acreditam permitindo que ele vai ajudar a colocar os moradores de volta ao trabalho.

"Eu não acho que o cânhamo vai substituir o milho. E eu não estou dizendo que no próximo ano todos vão trabalhar em uma fazenda de cânhamo. Mas por que não legalizar algo que poderia produzir empregos? E, provavelmente, vai", diz EUA O senador Rand Paul.

O senador Paulo acredita que esta é a oportunidade de Kentucky para ser um líder, "não é muito frequente receber um novo produto agrícola. Então, nós estamos indo para o trabalho duro, nós não terminamos ainda. Mas, eu vou pedir para o Presidente, se podemos passar por está renúncia, de modo que Kentucky pode ser um líder em plantação de cânhamo. "

Apesar da decisão, de Frankfurt, que vai agora até os líderes em Washington para tomar a decisão final.

Alcool e outras drogas