Search Here!!!

domingo, 17 de março de 2013

Quatro usos ecológicos inusitados da cannabis

Da fibra de cânhamo, obtida a partir do caule da planta, saem excelentes materiais de construção e artigos manufaturados, que estão caindo nas graças de grandes empresas. 

A legalização da maconha é um assunto recorrente nesses tempos de crise econômica, quando governos enxergam na droga uma alternativa para engordar os cofres públicos com tributos. É o caso de Colorado e Washington, os primeiros estados a legalizarem a posse e a venda de maconha para uso recreativo nos Estados Unidos (a maconha é liberada em 14 estados americanos para fins medicinais). 

Deixando as polêmicas de lado, a Cannabis presta-se a usos ecológicos inusitados. Da fibra de cânhamo, obtida a partir do caule da planta, saem excelentes materiais de construção e artigos manufaturados, que têm caído nas graças de grandes empresas. Confira a seguir algumas vocações sustentáveis da planta.

P, M ou G ?

A fibra de cânhamo, obtida a partir do caule das plantas, tem sido usado na fabriação de tecidos há milênios, mas só agora suas propriedades ecológicas estão ganhando visbilidade. Pesquisadas mostram que seu cultivo é uma excelente alternativa ecológica ao algodão, por não necessitar de muita água e dispensar uso de fertilizantes e pesticidas. De olho nesse potencial e na sua própria imagem, a rede de fast-fashion britânica H&M lançou este ano uma linha de roupas feitas com materiais sustentáveis, inlcuindo a fibra de canhâmo orgânico.

Tijolo ecológico

E que tal construir uma casa com tijolos feitos a partir da cannabis? Acredite, essa é uma opção viável e com suas vantagens para o meio ambiente. A empresa britânica Tradical lançou em 2010 um concreto produzido com cal, água e fibras do cânhamo, que em seu processo de cultivo apresenta altas taxas de absorção de CO2.

Para cada metro cúbico (m³) de parede construída, o Hemcrete, como foi chamado o tijolo verde, seria capaz de remover 110 kg de CO2, segundo seus fabricantes.

Além disso, o material é versátil, podendo ser aplicado em diversas etapas da construção, do isolamento do teto e acústica à pavimentação, além de ser totalmente reciclável. A solução foi usada em paineis de cobertura de uma nova loja da gigante do varejo britânica, Maks & Spencer, em Ellesmere Port, no Reino Unido.

Carros turbinados

Atenta à tendência no uso de tecnologias limpas pela indústria automobilísticas, a empresa canadense Motive Inc criou o que chama de “primeiro veículo de carroceria bio-composta" do Canadá. Trata-se do Ketrel, um carro compacto e estiloso com uma característica peculiar: sua carroceria é composta de um material produzido com esteiras de cânhamo.

Segundo a empresa, além de resistente, a solução ajuda a reduzir o peso do veículo, em comparação com outros materiais comumente usados na carroceria, como fibra de vidro. A vantagem é que, ao se tornar mais leve, o carro passa consumir menos combustível.

Eco Elise

Até os grandes estão de olho no material alternativo. Em 2008, a fabricante de automóveis esportivos Lótus projetou uma versão verde de um de seus modelos clássicos, o Elise. Na repaginada ecológica, o painel, os bancos, carpete e parte da corroceria foram feitos a partir da fibra de cânhamo.

Bicombustível

Às várias utilidades da folha da maconha que estão em estudo, adicione mais uma: a de biocombustível. Pesquisadores da Universidade de Connecticut, nos Estados Unidos, descobriram que a fibra da Cannabis sativa, conhecida como o cânhamo industrial, tem propriedades que a tornam viável e atraente como matéria-prima para a produção de biodiesel. Durante testes de laboratório, 97% do óleo extraído da semente da planta foi convertido em biodiesel.

Outra vantagem da erva, segundo os pesquisadores, reside na capacidade dela crescer em solo pobre e de baixa qualidade, o que afasta a necessidade de cultivá-la em lavouras especiais destinadas ao plantio de alimentos.

Fonte: Exame  

Sem comentários:

Enviar um comentário

Diz o que pensas...