Search Here!!!

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Enquanto isso no galinheiro...


 
O galo perguntou para o pintinho:
 - Você já fumou maconha ?
 - Não, nunca fumei…
 - Então, vou preparar um pequeno para você...
O galo fez um cigarrinho de maconha e o pintinho fumou.
- E ai irmão… sentiu alguma coisa ?
- Não sinto nada…
- Não é impossível... vou fazer um maior....
E fez um cigarro maior e o pintinho fumou…
- Aí mano... Sentiu alguma coisa ?
- Não sinto nada…
- Não acredito !… Vou fazer um gigante !
E fez um cigarro gigante e o pintinho fumou…
- Então mano… Sentiu alguma coisa ?
- Não sinto nada…, não sinto meu bico, não sinto minhas asas, não sinto meus pés, não sinto nada!

CONCLUSÃO: A maconha tira a sensibilidade do pinto !

Cannabis: enrolando a cura


Maconha pode ajudar a curar o câncer. E o governo dos EUA sabe disso há 3 décadas.
A pesquisa veio de Harvard – e não da cabeça de algum doidão em Kingston. Foi nos laboratórios da melhor universidade do mundo que cientistas trataram com THC, o princípio ativo da maconha, ratos preparados para desenvolver câncer no pulmão.

Depois de 3 semanas, chegaram à seguinte conclusão: os ratos que receberam o tratamento com THC apresentaram tumores 50% menores que um outro grupo de ratos, esse sem acesso ao tratamento especial. A pesquisa de Harvard tem sido tratada como pioneira pela imprensa americana. Mas não é bem assim. Tão surpreendente quanto o resultado é saber que os médicos não descobriram nada de novo. Maconha pode ajudar a tratar o câncer? Tem gente falando disso desde 1974!

Há 10 anos um estudo semelhante feito na Espanha mostrou resultados bem parecidos. Na pesquisa da Universidade Complutense de Madri, 1 em cada 5 ratos tratados com THC se curou de um tumor no cérebro. Mais velha ainda é a descoberta dos pesquisadores da Faculdade Médica da Virgínia. Em 1974, eles notaram que o tratamento de 20 dias com THC reduziu significativamente o tamanho dos tumores em ratos com câncer de pulmão. Que fique bem claro: nenhuma dessas pesquisas permite afimar que “maconha cura câncer”. Mas todas apresentam uma importante linha de investigação na luta contra a doença, que mata 7 milhões de pessoas por ano.
   

E por que você nunca soube disso? Porque a descoberta dos anos 70 causou um efeito bizarro: a suspensão de todas as verbas federais americanas para pesquisas sobre os efeitos da maconha. Mais tarde, o governo dos EUA ainda estimularia as universidades a destruir as pesquisas feitas com o THC. “Havia uma pressão ideológica para diminuir os estudos nessa área”, diz o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas da Unifesp. “A ciência já passou por isso em outros momentos. Os nazistas pesquisaram os efeitos do tabaco, mas o trabalho deles foi descartado por questões ideológicas. Anos depois, confirmou-se uma série de coisas que eles sabiam havia décadas.”

Fonte: SUPERINTERESSANTE ed: 240

Guia de cultivo indoor

Guia de cultivo indoor


Se você que mora em Portugal e resolveu plantar o seu próprio fumo, tenha em mente que apesar da lei estar um pouco mais branda, você pode ser confundido com um traficante e arrumar um belo problema para sua vida.
Mas se mesmo assim você optou pela subsistência, tenha consciência de que o único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário. Você passará por dificuldades, decepções e algumas vezes o fracasso total. Não se aflija, foi assim com todos, estude e aprofunde-se cada vez mais. Com perseverança e muito trabalho você terá boas colheitas.
 

Espécies

A Cannabis Sativa é da familia da urtiga, ela se divide em duas sub-espécies, Cannabis Indica e Cannabis Sativa. Hoje em dia com o cruzamento das duas, temos as chamadas Hibridas, que são os variados skunks e hazes, portando as melhores qualidades de cada.

Cannabis Sativa

São de origem equatorial, necessitam de bastante luz e calor, demoram até 3 meses para floração e atingem altissimas estaturas. Sua folhas são finas e compridas, sem muitas ramificações de galhos. Na floração exalam fortes odores citricos. Devido a essas limitações não é muito indicada para o cultivo indoor. Possui altos niveis de THC, após fumada, dá uma onda bastante energética e eufórica.

Cannabis Indica

Suas caracteristicas são, em quase tudo, o inverso da Sativa. Tem origem em climas temperados, assim necessitam de menos luz e calor que suas primas. Seu florecimento é mais rapido, e sua estatura é menor em comparação a familia da Sativa. Suas folhas são pequenas e gordas, com bastante ramificação de galhos. Na floração exalam aromas doces, com muito menos intensidade do que as Sativas, e alta concetração de flores. Devido a estas caracteristicas, é a mais indicada e a menina dos olhos de todo agricultor indoor. Seu efeito após fumada é uma viagem maior e mais sedativa.


Cultivo sinsemilla

A Cannabis, como quase toda as plantas, se divide em machos e fêmeas. Ao florecer ao lado de um macho, a fêmea é polinizada e produz sementes, deixando de produzir muita resina. Ao identificar e tirar os machos de perto, as fêmeas deixam de produzir sementes, se dedicam única e exclusivamente a produzir resina. A qual a função é proteger as flores do calor, do frio e de pragas. As flores também se desenvolvem bem mais e com maior densidade. O que nóis fumamos é a flor, caso não saibam.

Como identificar machos e fêmeas ?

Quando a planta atingir sua maturidade, variando por volta de 4 a 6 semanas, será a hora de iniciar a floração. Após até 14 dias do período de floração, começarão a aparecer pistilos, "pêlos" brancos (indicativo de fêmea) ou pequenas bolas (indicativo de macho) crescendo na base de cada nó. Os pistilos crescem até 0,5 cm, sendo facilmente visíveis, aparecendo aos pares, um de cada lado do nó. As bolas crescem também na base de cada galho, aos grupos, parecendo pequenas cornetas, antes da forma final arredondada. Nas bolas está o pólen.


Iluminação

Para quem escolheu o cultivo indoor, este é um dos fatores à influenciar a fartura da sua colheita. Primeiro de tudo você deve calcular quantidade de luz necessária no seu grow. A formula é esta:
Lumens – Um lumen equivale a quantidade de luz emitida por uma vela que incide sobre 1 pé quadrado de uma superfície a um pé (1 foot = 0,30m ) de distância.

Quantidade de lumens por metro quadrado (lux):
1000 - 5000 lux - Mínimo necessário pra vida;
10 000 - 15 000 lux - Mínimo necessário para um crescimento consistente porém esparso;
20 000 - 25 000 lux - Mínimo necessário para crescimento robusto;
25 000 - 30 000 lux - Máxima eficiência para espécies sub tropicais;
25 000 - 50 000 lux - Máxima eficiência para espécies equatoriais;
Máximo: 90 000 lux - Itensidade da luz do sol na superfície da Terra. É muita luz e não é bom pra erva.

As plantas precisam de 25 000 - 50 000 lux para desevolverem rápido. Todas as marcas de lâmpadas indicam na embalagem quantos lumens são emitidos por watt.  
Obs: Não confudam lumens com lux, 1 lux = 1 lumen por m².

Tempo de luz por dia

Durante o vegetativo é necessário que elas recebam 18 horas por dia de luz e 12 horas na floração. Alguns deixam as luzes acesas 24 horas por dia no vegetativo, mas dependendo da espécie pode estressar a planta, ou seja, menos colheita.

Cores (espectros) das Lâmpadas

Durante o período vegetativo as plantas necessitam de uma luz com espectro igual ou superior a 6500 kelvin, uma luz branca azulada, isso vem escrito na embalagem dela. Durante a floração precisam de um espectro entre 2700 e 3000 kelvin, um tom amarelo alaranjado. É muito bom manter no vegetativo uma lâmpada de 3000k no meio das de 6500k, e vice-versa na floração. O espectro azulado estimula o crescimento das folhas, produz talos curtos, grossos e favorece um desenvolvimento vigoroso, ideal para o vegetativo. O amarelo-alanranjado favorece o crescimento das raízes, talo e a floração. Assim como a posição da Terra muda em relação ao Sol desde a primavera até o outono, também o brilho e a cor dos raios de luz recebidos pela Terra desde a estratosfera mudam. As folhas detectam a chegada do outono com a diminuição das horas do dia, a menor intensidade dos raios e um incremento da cor vermelha (alaranjada).

Tipos de lâmpadas

Em geral, hoje em dia se usam 2 tipos de lâmpadas, as de alta pressão, e as frias.

Alta pressão - Vapor de sódio (emite um espectro de 3000k, perfeito para a floração)  e Vapor de mercúrio (emite um espectro de 6500k, perfeito para o vegetativo). Elas necessitam de reator e uma voltagem de 220v. Esquentam demais, mas tem a melhor eficiência de lumens por watts. Por isso se você esta fazendo seu grow dentro do armário, terá que projetar também um mega esquema de esfriamento, com direito a um belo cool tube, e potentes coolers industriais. O reator por si só consome em média 50% a mais da energia q a lâmpada já utiliza, ou seja, mais capital para o projeto.  Se fizer em um cômodo da casa, será a mais indicada, pois tem a maior eficiência lumen por watt e elas adoram.

Lâmpadas frias - No passado as condenavam por sua eficiência, mas agora em 2010 elas são as grandes aliadas dos mini-grows, em armários por todo o mundo. Existem com todos os espectros, evite aquelas com reator embutido (são aquelas que todos utilizam ao invés das antigas incadecentes), utilize as tubulares, pois você pode colocar os reatores do lado de fora do seu grow, evitando o calor gerado por eles. Isto não é merchandising, pelo que vi na internet, a mais utilizada é a tubular OSRAM T5, possúi a maior eficiência de todas. Fora as gringas que não temos acesso aqui do brasil.


Renovação de ar

Tanto em um armário como em um cômodo, você precisará de um sistema de exaustão. Dentro do armário, você pode usar um cooler para pc de 120mm. Escolha um bem potente, ou até 2, e ponha-os no alto retirando o ar, pois é la onde o ar quente se acumula. O buraco de entrada de ar deve ser na parte mais baixa do grow, com o dobro do tamanho da saída de exaustão. Se sua exaustão estiver trabalhando bem, você não precisara de um cooler na entrada, já que a pressão atmosférica se encarrega de empurrar ar pra dentro, na mesma medida do ar que sai. Verifique se não entra luz pelos buracos de ventilação, isso é importantissimo, desenvolva um esquema onde só passe ar, não luz. Em um cômodo, coolers de pc não darão vazão. Procure por ventiladores industriais e faça um sistema de tubulução, igual aquele que sai do aparelho de gáz da sua casa.

Outra necessidade da planta é o gás carbônico, Co2, com ele a planta cresce vigorosa. Adquirindo um emissor de Co2, você deve saber que se não houver uma ventilação correta ele se acumulará no chão do grow.
Odores na Floração

Durante este período a erva exala grandes odores, com as sativas então nem se fala. É de extrema importância que você adquira um ionizador, ou um filtro de carbono ativado para colocar no sistema de exaustão do seu Grow. Senão toda a vizinhança saberá de tudo.


Solo e Nutrição

É uma das etapas mais complexas de todo o processo. Os elementos necessários a vida da planta são luz, água, Co2 e nutrientes. Nesse momento, é crucial para um iniciante decidir se vai querer utilizar fertilizantes industriais, ou orgânicos.
Os nutriente essenciais para a vida da planta são:

Nitrogênio
P  Fósforo
K  Potássio

No vegetativo o mais necessário é o Nitrogênio e na floração o Fósfóro.
Cultivo com fertilizantes industrias

Caso queira fertilizantes industriais, certifique-se de que não haja muitos nutrientes no solo, elabore um solo mais carente para usá-los com mais folga.
Ao adicionar fertilizantes químicos em um substrato com bastante nutrientes, você corre o risco de cometer um "overfert", overdose de fertilizantes. Isto pode ser o fim da planta. Você consegue no mercado livre o fertilizante importado Peter`s Professional,
não é o mais usado lá fora, porém dos melhores achados por aqui. Possui 3 modelos:
Para o pequeno broto criar bastante raiz - Plant starter (NPK 9-45-15);
Para o vegetativo - Hi-Nitro (NPK 30-10-10);
Para a floração - Blossom Booster (NPK 10-30-20).
Utilize só 0,5g diluida em 1litro de água. Em todas as outras fases utilize na mesma proporção, aumente para 1g somente caso tenha tido uma ótima resposta da planta. Aplique-os nas regas de 15 em 15 dias e sempre faça um flush antes de usa-los(exceto na priemira rega no inicio do vegetativo), significa que para cada 5 litros do vaso você terá que despejar, mais ou menos, 25 litros de água no substrato. Caso não o faça, a cada rega com fert seu solo será cada vez mais carregado, até o seu trágico fim.

Cultivo orgânico

Felizmente aqui em Portugal e em todo o mundo, existem maravilhosos substratos a venda no mercado. Prontos para o uso, só é necessário dar uma pequena arejada neles para que suportem a maconha o vegetativo inteiro. Para isso misture uma boa quantidade de fibra de coco no solo. Em Portugal existe a marca Compo Sano que é muito boa. No Brasil, a marca Terral faz um magnifico substrato, o Terral Solo, vem com ph balanceado e tudo para suportar um belo vegetativo, com ele pelo menos nos primeiros 30 dias não haverá necessidade de fert industrial. Também fica com você a decisão de segurar este substrato até a flora e fazer um transplante com farinha de osso - caso tenha escolhido um cultivo orgânico - ou fazer um flush e adicionar fertilizantes industriais. Caso não encontre esta marca, ou nenhuma parecida segue a receita:

Vegetativo:
30% de Terra Preta ou Turfa
30% de Fibra de coco
20% de Vermiculita
20% de Humus
1 Colher de Sopa de Calcário domilitico
1 colher de torta de mamona (só se tiver trabalhando com terra, a turfa já libera bastante nitrogênio junto ao humus)

Floração:
30% de Terra Preta ou Turfa
30% de Fibra de coco
20% de Vermiculita
20% de Humus
1 Colher de Sopa de Calcário domilitico
1 colher de farinha de osso

Ao fazer esta mistura, molhe o vaso e deixe repousando durante 15 dias até se criar uma biodiversidade no substrato. Ponha argila expandida com fibra de coco no fundo do vaso para uma melhor escoação da água.

Transplantes:

Optando pelo cultivo orgânico, o ideal é fazer 3 transplantes para vasos de tamanho diferentes:
O primeiro deve ser um bem pequeno, para que em sua fase inicial o broto enraize bem.
Outro um pouco maior, para segurar 30 dias do vegetativo.
O ultimo deverá ter um bom tamanho. Ele vai aguentar o resto do vegetativo, juntamente ao transplante para floração, e nos dois periodos será necessário ter espaço para uma boa ramificação das raizes. Um bom indicativo de que está na hora de um transplante é quando você notar que o solo está secando rápido. Isso acontece porque as raizes estão grandes precisando de mais espaço.  

Regas

Regue somente quando o solo estiver totalmente seco, isto estimula o crescimento das raizes, mas não deixe seco por muito tempo pois pode alterar o ph e estressar a planta. O truque é pegar um palito de churrasco e enfiar a ponta chata até o fundo do vaso, se ela voltar suja é sinal de que ainda tem água, se não é hora de regar. Não há limite de água para rega, desde que o substrato tenha boa escoação.
O pH

o pH É um fator determinante na tomada de nutrientes da planta. Se o pH for muito alto ou muito baixo, a planta não consegue absorver certos nutrientes e sais minerais. A falta/excesso de algum sal mineral ou nutriente pode fazer com que outros elementos também fiquem "presos" ao solo e a planta não consiga se alimentar, apesar de estar com fatura de alimento!

O PH ideal no vegetativo é entre 6,6 e 6,9 .... e na flora 6,0, a 6,5.

É a lei do mínimo: o elemento em menor disponibilidade manda no processo inteiro. Se ele faltar, nada vai para frente...Para vc ter uma idéia de como funciona o pH, uma solução com pH 5.0 é 100 vezes mais ácida que uma solução neutra pH 7.0,  isso quer dizer que cada casa decimal influenciará e muito nesta tomada de nutrientes. A maneira de analizar o pH é "contando" o número de átomos de H+ .Existem uns medidores de aquário bem baratos,  com eles você mede o ph da água que escôou pro prato. Porém o único meio eficaz e que realmente precisamos apesar do caro investimento é o medidor de pH digital. Apenas com ele você pode ter precisão e sucesso mais fácil.í. Para regular o pH existem soluções específicas para isso, no exterior, infelizmente.

Mas é claro que a gente dá um jeitinho, para aumentar o pH vocÊ pode simplesmente adicionar mais água mineral de pH alto 8.5 (comum por aqui), até que a solução fique no nível desejado ou adicionando hidróxido de potássio[KOH]. Normalmente você não tem que aumentar o pH, só se você abaixou ele demais/fertilizou demais. Se o problema for na água que você rega, acrecente 1 gota de vinagre em 1 litro e compare para baixar o ph. O calcareo domilitico é um bom condicionador de solo, com ele o ph não sofre mudanças drasticas.

Lembrando que se você tiver comprado um substrato pronto, com o ph já certinho, e tiver controle do pH da água a qual se rega, você não terá estes problemas.  


Germinação

Para alguns muito simples, para outros um grave problema. Existem algumas formas, mas a melhor é esta: verifique se a semente não estoura fácil ao ser apertada entre os dedos, as mais duras são as melhores, depois deixe em um copo de agua com ph entre 6 e 7 por 12 horas, depois em um ambiente escuro, ponha as sementes entre duas folhas de papel toalha molhadas dentro de um tapeware e feche. Não pode ser um ambiente frio, o ideal seria de 25º a 30º. Todo dia abra uma vez para renovar o ar, e certifique-se que não estão apodrecendo.  Ao manusear as sementes, o Tupperware e o guardanapo é de extrema impotância que você use luvas de latex estéreis.


As sativas demoram até 14 dias e as indicas até 3 ou 4 para germinar. Ao notar que a semente se abriu e a raticula saiu, espere-a crescer até no máximo 2cm. Faça um buraco de 2 a 4cm no substrato e ponha o broto com a raticula para baixo. Cubra cuidadosamente com substrato e certifique-se de que ao regar, o broto não irá se desalojar do lugar escolhido. Também há quem jogue no solo direto, mas assim você não terá controle dos resultados das semilhazinhas. Existem fertilizantes industriais maravilhosos, próprios para enraização de brotos há serem usados apenas na primeira rega da erva. Note que mesmo com o substrato fertilizado orgânicamente, você poderá utilizar este aditivo. Use um pequeno vasinho nesta fase, quando você sentir que a planta está absorvendo a água rapidamente é hora de trasplanta-la para um vaso maior.


Clonagem

Ao identificar uma fêmea, ou em uma planta mãe, clonar é o melhor meio de otimizar todo o processo. Veja na foto onde devem ser os cortes, corte sempre em 45º em relação ao caule. Corte também a ponta das folhas como mostra a imagem, as setas brancas indicam os clones e as marcações azuis os cortes. Adquira um gel vendido próprio para isto, chamado sela gel. Passe o gel na ponta do caule da muda a ser plantada, espere 15 minutos e fixe-a no substrato. Os clones precisam de bastante humidade já que ainda não possuem raizes, se você não tiver um humidificador de ar, ponha um balde ou bacia de água no chão do grow e também dê borrifadas de água nas folhas umas 5 vezes ou mais por dia.



Vegetativo e Floração

Vegetativo

Esta é a fase em que a planta deverá ganhar carcaça para a estação seguinte, dura de 2 a 3 meses. Necessitam de 18horas de luz diárias, e 6 de escuridão absoluta. Nada pode atrapalhar a noite delas, caso você sinta necessidade demais de trabalhar nelas durante seu descanso, utilize luz negra ou verde. Como dito na parte de iluminação, o espectro  das lâmpadas desta fase é de 6500 Kelvin, um tom branco azulado. Necessitam de fertilizantes com bastante nitrogenio, como dito acima no tópico "Solo e Nutrição" um bom exemplo é o Peter`s Hi Nitro de NPK 30-10-10.

O fim deste periodo pode ser forçado, mudando o espectro das lâmpadas e diminuindo o fotoperiodo, ou aguardando as fêmeas porem seus pistilos de fora e os machos suas bolas. Dependendo do seu espaço ou do tamanho atingido pela planta, você pode induzir a floração aos 2 meses de idade. Diminuindo o fotoperiodo e o mudando o espectro da lâmpada. Não há necessidade de tirar os machos no exato momento de sua descoberta, eles estimulam a floração das fêmeas e só começam a exalar o pólem após 2 semanas de maturidade.

Floração

Neste perido as plantas terão 12 horas de luz e 12 horas de escuridão. O espectro das lâmpadas deve ser de 2700 a 3000 Kelvin, aquele  tom amarelo-alaranjado. Necessitam de fertilizantes com bastante Fósforo, seguindo o exemplo do Peter`s Blossom Booster NPK 10-30-20. Antes de iniciar a floração, caso você queira utilizar fertilizantes industriais e não pretende fazer um transplante, faça um belo flush antes de jogá-los.


Colheita

15 dias antes da colheita faça um flush honesto na planta, o mais honesto já feito, para que o fumo não fique arranhando a garganta e deixe os camarões sugarem tudo das folhas, repletas de nutrientes. Existem 2 formas de identificar este momento, a mais fácil é esta. Durante a floração os pistilos antes brancos, vão aos poucos ficando avermelhados, quando mais ou menos 70% ficarem, é hora da colheita.

TricomasNa outra forma, use uma lente de aumento e tente ver os tricomas entroncados (pequenos cristais de THC sobre a flor). Se a maioria estiver clara, e não marrom, o ápice do buquê floral está próximo. Quando a maioria desses tricomas atingirem uma coloração marrom, os níveis de THC estarão caindo e a flor estará perdendo potencial, declinando rapidamente com a exposição à luz e ao vento. Então ao notar que todos estiverem brancos e alguns poucos marrons, é chegada a hora.  Não colha tarde de mais! Observe as plantas e aprenda o tempo ideal de colheita no ápice da potência floral.


Secagem e cura

Secagem

Corte os galhos com os bugs e faça uma manicure nas pontas das folhas que aparecem, não as arranque. Pendure-os em um ambiente escuro com ventilação, mas sem vento incidente nos bugs, de cabeça para baixo. Pese tudo antes de por para secar, quando eles estiverem com apenas 25% do peso inicial, e ao apertar os galhos eles quebarem estalando, é hora de curar.

Curagem

Jarras de vidro, latas de metal ou tapeware, além de outros potes podem ser usados para curar suas flores. Coloque as flores propriamente secas no pote de sua escolha e deixe descansando em um lugar fresco e escuro. Remova a tampa do pote diariamente e vire as flores, permitindo que o dióxido de carbono escape. Repita esse processo por cerca de 2 semanas, ou até alcançar o gosto e/ou potência desejados. Durante a cura ocorrem nos buds inúmeras reações químicas e alguma atividade de biosintese. Basta lembrar de como amadurece e depois apodrece uma maçã, mesmo depois de colhida.

Purple weed



Esta espécie produz uma névoa roxa e assim como o seu cheiro e o seu sabor, isso acontece devido as suas flores roxas.

Pode suportar um clima agressivo e são ótimas para crescer no exterior.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Imagens das nossas amigas


















Ora aí esta uma VERDADE!!!

BIBLIA DO CULTIVO DE MACONHA em PDF

Esta é a biblia que tem auxiliado growers ao longo dos anos...
Tem toda a informação necessaria, desde a germinação até á colheita, é bastante acessivel e tem até dicas de como resolver problemas, de forma natural...

Com fotos!

Em Português

Clique aqui para fazer o Download em PDF!!!!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

O Bloco de Esquerda e a Cannabis...


Ora bem, hoje vamos falar de um Projecto lei que os nossos amigos do Bloco de Esquerda apresentaram...

Este projecto já não é de agora, e não é o único, o Bloco já apresentou outras propostas do género, mas que até agora não têm sido aprovadas na Assembleia da República, outro caso é o projecto lei com o objectivo de legalizar a cannabis para fins medicinais (à semelhança daquilo que acontece nos Estados Unidos).

Falando agora das políticas do Bloco de Esquerda, nomeadamente da agenda política para as eleições de 2009, o Bloco queria passar estas medidas para minimizar o tráfico em Portugal, e todos os problemas associados ao mesmo, desde o tráfico, ao consumo, ou até à criação da planta.

O projecto em si indica alguns estudos feitos pela ONU, nomeadamente, e passo a citar:

"A ONU estima que, em 2006, 166 milhões de pessoas, ou 3,9% da população mundial entre os 15 e os 64 anos, utilizaram cannabis. O número de consumidores aumentou consistentemente no período de 1997/98 a 2006/07. Na Europa, diz a OEDT que, “de acordo com estimativas conservadoras, a cannabis foi consumida pelo menos uma vez (prevalência ao longo da vida) por mais de 70 milhões de europeus, ou seja, mais de uma em cinco pessoas dos 15 aos 64 anos (…) Estima-se que cerca de 23 milhões de europeus consumiram cannabis no último ano, o que corresponde, em média, a cerca de 7% das pessoas dos 15 aos 64 anos. As estimativas da prevalência no último mês incluem as pessoas que consomem a droga mais regularmente, embora não necessariamente de forma intensiva”, correspondendo a “cerca de 12,5 milhões de europeus”. Estima-se ainda que mais de 1% dos adultos europeus, cerca de 4 milhões, consomem cannabis diariamente ou 7 quase diariamente. Os dados dos inquéritos nacionais comunicados ao OEDT mostram que em quase todos os Estados-Membros o consumo de cannabis aumentou acentuadamente na década de 1990 e no início da década de 2000, sobretudo entre os jovens e os estudantes."
Isto só confirma aquilo que todos nós temos vindo a perceber, que o consumo da cannabis tem vindo a aumentar não só em Portugal, mas no Mundo.

Outro dado preocupante é o aumento dos crimes relacionados com a cannabis, o problema não são os traficantes mas sim os consumidores, já que estes vão aumentando, e muitas vezes é difícil de distinguir um consumidor de um traficante. Só em Portugal, relativamente às ocorrências de 2007 quanto ao consumo pessoal foram instaurados 6744 processos de contra-ordenações envolvendo a planta. Não acham isto um bocado demais?

Vou-vos apresentar aqui as soluções que o Bloco apresentava no seu projecto:

"O Bloco de Esquerda defende desde sempre que se retire o comércio de cannabis do âmbito de actividade dos traficantes e das suas redes de influência. De facto, essa ponte que se pode estabelecer entre os consumos de drogas “leves” e de drogas “duras” tem sido um dos instrumentos mais importantes para a extensão da venda ilegal de cocaína e de heroína, entre outras substâncias. Deste ponto de vista, essa medida é um dos pilares mais importantes de uma estratégia de prevenção da toxicodependência. Igualmente, a existência de um comércio legal de cannabis, em que o preço é regulado, dá significado à noção de quantidade-limite para consumo pessoal no que diz respeito à aquisição. O Bloco de Esquerda também defende que o cultivo de cannabis para consumo pessoal não deve ser penalizado, o que implica incluir as sementes no comércio legal regulado. Actualmente o cultivo para consumo pessoal tem a vantagem de o consumidor não ter de recorrer ao traficante e a todos os riscos associados para obter a substância. No entanto, como já foi referido, actualmente essa prática é crime e há consumidores que enfrentam sanções penais por esse facto. Ao mesmo tempo, é preciso regular a produção de cannabis com destino para o comércio legal."

Resumindo, eles querem um mercado legal e lícito de venda de cannabis, bem como um mercado regulado de venda de sementes para cultivo. Isto ia ser um mar de rosas para muitos fumadores de cannabis, não só iriam ter acesso à planta mais barata, como a poderiam fumar sem serem vistos como criminosos, e ainda poderiam plantá-la sem serem alvo de investigações e de queixas-crime. Além disto, e mais importante, os fumadores teriam acesso a cannabis tratada por especialistas e com uma boa qualidade, enquanto que hoje em dia por melhor que esta seja, pode sempre conter substâncias menos boas mas que dão boa “padrada”.

Eles defendem ainda que, o facto de não ser crime, mas sim uma contra-ordenação só facilita a estratégia dos traficantes. Outro dos problemas da lei actual é tornar os consumidores vulneráveis perante substâncias adulteradas, fazendo com que o contacto com outras drogas mais potentes e nocivas seja fácil. Por isso, o Bloco propõe a legalização do consumo de cannabis, e que esta seja adquirida em estabelecimentos legalmente habilitados e fiscalizados, bem como a legalização do cultivo, até dez plantas por pessoa. O Bloco quer ainda que sejam as Câmaras Municipais a autorizar a abertura dos estabelecimentos que comercializam a cannabis, ainda que estes tenham de distar de pelo menos 500 metros das escolas e que a entrada a menores de 16 anos seja interdita.

À cannabis não serão aplicadas as regras normais de direito de concorrência, impondo-se um controlo da produção, importação e distribuição do produto. O comércio deverá ser regulado, fazendo com que toda a rede de distribuição esteja privada da agressividade comercial, isto é, serão proibidas as marcas como meio de promoção de produtos, bem como outras formas de propaganda directa (promoção, marketing…) ou indirecta (patrocínio, mecenato…) utilizados nos media.

O controlo do mercado da cannabis cria duas vantagens evidentes: Do lado da oferta, uma política de venda a preços estudados permite eliminar os traficantes do mercado lícito. Enquanto que do lado da procura, uma fixação hábil dos preços permite orientar os consumidores para os produtos menos nocivos.
Mais uma vez a questão mantêm-se…


Legalizar ou não? A legalização trará vantagens tanto nos preços, como na qualidade? Ou deveria continuar como está, tendo os consumidores de recorrer ao mercado clandestino, e sem garantias do que aquilo que estão a fumar é realmente cannabis?

Cannabis medicinal



Boas malta!

Muitos dizem que a marijuana não tem valor medicinal, e que há outros medicamentos mais seguros e mais eficientes que a marijuana, e nos Estados Unidos é até comercializado um medicamento, o Marinol,  que não é nada mais que uma versão sintética de THC, e eu questiono-me, o que é que será melhor? THC na sua forma pura, extraído duma planta que cresce da terra, ou THC sintético, feito em laboratório? Estas medicamentos podem até ser mais eficientes, mas daí a serem mais seguros… Estes também têm os seus efeitos secundários, lá porque são legais não estão livres de riscos.

O facto é que a marijuana provou ser eficiente a reduzir náuseas induzidas por quimioterapia, estimular o apetite em doentes com o vírus da Sida e a reduzir a pressão intra-ocular em pacientes com glaucoma. Também há algumas evidências de que a cannabis reduz os espasmos musculares em pacientes com doenças do foro neurológico.

A cápsula sintética está disponível mediante receita médica, mas não é tão eficiente como a marijuana inalada para muitos dos pacientes. Além disso o THC puro presente nestas cápsulas pode induzir efeitos secundários mais desagradáveis do que quando fumado.
Muitas pessoas utilizam, actualmente, a marijuana como medicina, ou como forma de se libertarem dos seus problemas de saúde, mas é aqui que nós corremos o risco de sermos apanhados e de sofrer-mos as consequências de fumarmos uma mera planta…

Será que a lei holandesa é um fracasso?


Boas pessoal!

Muitos dizem que a lei holandesa é óptima porque pode-se fumar marijuana abertamente, outros dizem que é apenas uma porta para existirem mais consumidores desta planta, e de outras drogas pesadas, e há aqueles que argumentam que a lei é um fracasso.

Pois é, o facto é que a lei Holandesa é a menos punitiva na Europa. Aliás, já assim é há mais de 20 anos, todos os holandeses, e curiosos, acima dos 18 anos podem comprar, e fumar, cannabis em qualquer coffee shop regulado pelo governo. E não é por isto que o consumo aumentou drasticamente, aliás, para a maioria das faixas etárias na Holanda o consumo é praticamente o mesmo que nos Estados Unidos, e no entanto a taxa de jovens adolescentes que começaram a fumar esta planta não aumentou como muitos clamavam, é até mais baixa que nos Estados Unidos.

É por isto que a esmagadora maioria dos Holandeses aprovam a actual lei que procura normalizar, em vez de dramatizar, o consumo da cannabis.

O governo revê, ocasionalmente, as leis no que toca a este assunto, mas continuam empenhados em manter a mesma lei permissiva, ao invés de criminalizarem o uso de algo que é tão natural como qualquer vegetal que nós possamos comer, aliás, com a introdução das Comidas Geneticamente Modificadas, já não sei o que será mais saudável, se uma boa salada de alface e tomate, ou se um bom charro de erva…

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Em que se pode usar a Cannabis?

Verbalizar é legalizar

A marijuana é mais nociva que o tabaco??

Boas malta!


Pois é, muita gente pensa que a marijuana é mais nociva para os nossos pulmões do que o tabaco. Dizem até que os fumadores de marijuana estão num patamar mais elevado de contrair cancro do pulmão, bronquite ou até enfisemas. Isto não é verdade, o facto é que os fumadores moderados de marijuana apresentam riscos mínimos de contrair qualquer uma destas doenças. Tal como o tabaco, a marijuana contém alguns agentes nocivos e cancerígenos , a diferença é que os consumidores desta erva fumam menos da mesma do que os fumadores de tabaco quando puxam do seu cigarrinho, e a longo prazo as diferenças começam-se a fazer notar nos pulmões, pois inalam muito menos fumo. Como resultado os consumidores de cannabis correm um risco muito menor de terem cancro.

Não há, até agora, registos de cancro do pulmão que estejam associados unicamente à marijuana, e num grande estudo realizado pela Sociedade Torácica Americana em 2006, até nos fumadores frequentes da planta o risco de cancro e de outras doenças não aumenta, ao contrário dos fumadores frequentes de tabaco, que está provado exibirem obstruções das vias respiratórias. Isto indica que os fumadores de marijuana não contraem enfisemas ao contrários dos de tabaco.

Em suma, a marijuana pode também ser nociva para os pulmões, ninguém diz o contrário, mas o facto é que tal como o assunto da overdose (se bem se recordam a marijuana também tem o risco de overdose, só que são precisas quantidades absurdas da planta para nos causar isso), há coisas bem piores.

Legalizem-se

Reporter na paranóia da erva

É assim que se destrói as apreensões de droga? Para a próxima chamem-me!

Filme "A Flor"




“A Flor” é um filme de animação que contrasta uma sociedade utópica onde se cultiva e consome livremente uma planta que dá prazer e ajuda a aliviar o mau estar causado pelas doenças com uma outra sociedade onde é ilegal plantar e consumir essa mesma planta. Este video serve para demonstrar os efeitos sociais e económicos da ilegalização da Cannabis.

História da Culinária com Cannabis, (História da Culinária com Maconha)

Se cresceste nos Estados Unidos, podes-te surpreender ao saber que o uso da cannabis tem uma história bem longa e ilustre. Muitos ‘activistas anticannabis’ dos Estados Unidos poderiam fazer crer que o consumo da mesma é um vício limitado a hippies, caloteiros ou miúdos liberais da faculdade de artes; o que não sabem é que algumas das mais antigas culturas do mundo têm uma longa história quanto ao fumar e cozinhar marijuana.



Cannabis na China Antiga

Muitos historiadores concordam que a primeira evidência cultural da Cannabis vem da China, há cerca de 6.500 anos atrás. Os Yang-Shao (a mais antiga cultura neolítica conhecida na China), colhiam sementes de cannabis para ser usado como grãos. As sementes eram moídas em farinha, assadas inteiras ou cozidas em papa. Os antigos túmulos da China tiveram mesmo vasos de sacrifício cheios de sementes de cânhamo para a vida futura.
Embora os antigos chineses não tenham incorporado directamente a cannabis em rituais espirituais, os efeitos das folhas da planta de resina e flores (ou botões) não passam despercebidos. A mais antiga farmacopeia do mundo conhecida, a ‘Pên-ts’ao Ching’, afirma que os topos floridos da marijuana, se tomadas em excesso ou durante um longo prazo “faz comunicar com os espíritos e ilumina o seu corpo.” O documento passa então a receitar marijuana para doenças como a “malária, constipação, dores reumáticas, distracção e distúrbios da mulher”.

Extracto Chinês de Óleo da semente da Cannabis e Óleo de Cannabis

Com as novas tecnologias desenvolvidas, os antigos chineses aprenderam a extrair o valioso óleo de cânhamo, usando uma técnica ainda utilizada no mundo ocidental no século XX. Estas sementes de cannabis pressionadas renderam quase 20 por cento de óleo por peso.
O óleo de cannabis tem uma série de utilizações, mas aqui estamos mais preocupados com suas aplicações na culinária. Após a extracção do óleo, o resíduo ou “bolo de cânhamo” ainda continha óleos nutritivos e proteínas, o que se tornou uma alimentação saudável para animais domesticados. Assim, os antigos chineses provavelmente foram os primeiros a descobrir, colher e cozinhar com a cannabis.

Cannabis na Índia Antiga

Cerca de 2.500 anos mais tarde, os Arianos errantes (uma tribo nómada Indo-Persa) trouxeram a Cannabis para a Índia, onde foi rapidamente adoptado tanto para as suas aplicações práticas (fibras de cânhamo e nutrição, por exemplo) como pela sua assistência em rituais religiosos (com os seus efeitos psicoactivos). Os índios anciãos adoravam os espíritos das plantas e dos animais, e a marijuana começou a desempenhar um papel activo nos seus rituais, bem como a tornar-se um objecto de adoração em si.
A marijuana tornou se sagrada, e o seu espírito, o chamado “bhangas spirit” era adorado e apelidado como “a liberdade do sofrimento e como um alívio para a ansiedade.” Os antigos indianos viam a planta como um presente dos deuses, saudando-a como uma erva mágica que “baixa a febre, promove o sono, alivia a diarreia, estimula o apetite, prolonga a vida, acelera a mente e melhora o julgamento.”

Índios anciães criam uma infusão de manteiga ‘Ghee’ de Cannabis e o ‘Bhang’

Tal como os chineses, os indianos antigos usavam as sementes como grãos para cozinhar, mas ao contrário dos seus antecessores, os índios também procuraram aproveitar o efeito farmacológico único da cannabis, cozinhando as flores, folhas e caules em manteiga ‘Ghee’ para ser usado numa infinidade de receitas.
Ghee, um ingrediente comum na comida indiana moderna, é uma deliciosa manteiga clarificada que pode ser armazenada por longos períodos de tempo sem refrigeração, desde que seja armazenada num recipiente hermético. A infusão de Cannabis ‘Ghee’ pode ser substituída, sendo chamada de ‘Ghee’ regular, no entanto não será cozida a temperaturas superiores a 401 graus Fahrenheit, altura em que o THC começa a perder a sua potência.
Além de Cannabis Ghee, antigos índios também misturavam Marijuana com outras especiarias (incluindo sementes de papoila, pimenta, gengibre, sementes de cominho, cravo, carda momo, canela, noz-moscada, açúcar e leite) numa bebida chamada “Bhang”. Hoje em dia, “Bhang” é apreciado na Índia – mais que o álcool e o vinho que são mais usados no Ocidente.

Cannabis atravessa a Europa

Eventualmente a Cannabis passou pelo Médio Oriente para países como a Babilónia, Palestina e Egipto, onde o cânhamo era utilizado em tecidos e, como grãos. Chegando á Grécia, pode ter sido referenciado no grande épico de Homero, a “Odisséia”. Os gregos e os romanos nao fizeram noticia das propriedades tóxicas da planta, mas usaram o cânhamo em fibras para fazer roupas e tapetes.

Cozinhar com Cannabis nos EUA

Com o aumento do comércio e das viagens, as sementes de Cannabis foram levadas para todas as partes do mundo conhecido. Quando os primeiros colonos vieram para as Américas, trouxeram cannabis com eles. Tanto quanto a história da culinária com cannabis nos Estados Unidos existe, o registo de tal é irregular, mas certamente renasceu na década de 60/70 com a forte influência indígena sobre a geração “hippie”.
Hoje, cozinhar com marijuana voltou em voga, especialmente com a descriminalização da cannabis em diversos estados (EUA) e as sempre presentes prescrições de maconha medicinal. Cozinhar com cannabis é uma óptima maneira de experimentar tanto os efeitos nutricionais da planta como os fisiológicos.

domingo, 24 de outubro de 2010

Idosa presa por plantar Cannabis



Então já não pode a senhora , coitada, plantar umas sementinhas, para se aquecer no inverno com um belo e quentinho chá de cannabis? então e o reumatico da senhora que decerto melhorará com um fuminho????

Mas que País este, já não há respeito pelas tradições????

Chá de Cannabis, Kussondulola

Como enrolar um charro...



Para os novatos, ou para quem já esqueceu... Se bem que é como andar de bicicleta!!!!

Introdução á Cannabis, (ingles)

Breve historia da Cannabis, em video

O Nectar dos Prazeres - História da Cannabis


A Tradição na Índia afirma que os deuses enviaram a planta do cânhamo ao homem para que ele possa alcançar prazer, coragem e ter aumentado os desejos sexuais. Quando o néctar ou Amrita caiu do céu, Cannabis brotou a partir dele.

Outra história conta que, quando os deuses, ajudado por demônios, agitaram o oceano de leite para obter Amrita, um dos néctares resultante foi Cannabis. Foi consagrada a Shiva e foi bebida favorita de Indra. Depois da agitação do oceano, os demônios tentaram obter o controle de Amrita, mas os deuses foram capazes de impedir que este ataque, dando o nome Cannabis Vijaya ("vitória"), para comemorar o seu sucesso.
Desde então, esta planta dos deuses foi usada na Índia, para outorgar poderes sobrenaturais aos seus usuários.
A parceria entre a Cannabis e o homem já existi á provavelmente 10 mil anos, desde a descoberta da agricultura no Velho Mundo.

Um dos nossos velhos cultivos, Cannabis foi plantada com 5 propositos, como fonte de fibras de cânhamo, pelo seu petróleo, por sua akenes ou "sementes", consumidas pelo homem para alimentação, por suas propriedades narcóticas e terapeuticamente para tratar um amplo espectro de doenças na medicina popular e em farmacopéias modernas.

Principalmente por causa das suas diversas utilizações, Cannabis foi levado para várias regiões do mundo. Coisas incomuns acontecem às plantas após a longa associação com o homem e a agricultura.
Elas são cultivadas em ambientes novos e estranhos e, muitas vezes têm a oportunidade de hibridação que não são oferecidos em seus habitats nativos. Eles escapam do cultivo e freqüentemente se tornam invasoras agressivas. Eles podem ser alteradas por meio de seleção de características humanas associadas a um uso específico. Muitas plantas cultivadas, são tão alterados de seus tipos ancestrais que não é possível desvendar sua história evolutiva.

No entanto, apesar da sua longa história como uma planta de safra maior, Cannabis_caracteriza-se ainda mais pelo que não se sabe sobre sua biologia do que aquilo que é conhecido.
A classificação botânica da Cannabis tem sido incerta. Botânicos não têm concordado com a família à qual pertence, os primeiros investigadores colocam-na na família Urtiga (Urticaceae), mais tarde, ela foi acomodada na família Fig (Moraceae), a tendência geral hoje é atribuí-la a uma família especial, Cannabaceae, no qual apenas Cannabis e Humulus, um gênero de lúpulo, são membros.

Houve, inclusive, discordância quanto à forma como muitas espécies de Cannabis existem: se o gênero é composto por uma espécie altamente variável ou várias espécies distintas. Atualmente, existem evidências indicam fortemente que três espécies podem ser reconhecidos:

C. indica,

C. ruderalia

C. sativa

Estas espécies são distinguidos por diferentes hábitos de crescimento, personagens do akenes e, especialmente, das grandes diferenças na estrutura da madeira. Apesar de todas as espécies possuirem canabinóides, talvez possam haver diferenças químicas significativas, mas ainda não há provas significativas...

Como tal vamos ver a linha do tempo da Cannabis:

6000 A.C.A Maconha era usada como comida na China.
4000 A. CTecidos feitos com a erva foram usados na China. Foram encontradas fibras de maconha neste período e também no Século I na Turquia.
2727 A. C.Primeiro registro da maconha sendo utilizada pela medicina como fármaco. Em diversas partes do mundo a humanidade tem utilizado a maconha para curar os mais diversos problemas de saúde.
1500 A. C.A maconha é cultivada na China para alimentação e vestuário. Suas fibras eram utilizadas para se tecer os mais finos panos.
1200 – 800 A.C.A planta da maconha é citada no Atharva Veda, livro sobre medicina sagrada para os hindus, como uma das 5 ervas mais sagradas da Índia. Era usada na medicina e em rituais de oferenda para Shiva.
700-600 A. C.O Zend-Avesta, livro sagrado para a religião persa , composto por diversos volumes, se refere à maconha como um bom narcótico.
700-300 A. C.Tribos bárbaras deixam folhas da erva em tumbas como uma oferenda aos mortos.
500 A. C.As tendas dos bárbaros eram decoradas com folhas de Cananabis.
500 A. C.A erva é introduzida no norte da Europa pelos bárbaros. Uma grande quantidade de folhas e sementes da planta datada desta época foi encontrada próximo a Berlim na Alemanha.
500 – 100 A. C.A maconha se espalha pela Europa
430 A. C.O filósofo grego Heródoto registra o uso da maconha como recreativo e ritualístico .
100 – 0 A. C.As propriedades psicotrópicas da maconha são mencionadas no livro sobre ervas do inperador chinês Pen Ts´ao Ching.
70Dioscorides menciona o uso da maconha como medicamento romano.
170O romano Galeão declara os efeitos psicológicos do uso de semente de maconha.
500-600O Talmud judeu menciona a sensação de euforia ao utilizar maconha.
900 – 1000Estudiosos debatem os prós e contras de se comer maconha. Seu uso é difundido pelas arábias.
1090-1256Na Pérsia, o velho da montanha convocava comitivas de homens para se tornarem assasssinos. Esta lenda se desenvolveu , associando os assassinos ao uso de haxixe. Esta lenda foi descrita em diversos contos que relatavam os inebriantes efeitos da Cannabis e dos usos do haxixe.
1200 A Cannabis é introduzia no Egito durante a dinastia de Ayyuib na ocasião em que o país foi influenciado por místicos devotos da erva oriundos da Síria.
1155-1221A lenda persa do mestre sufi, o Shiek Haidar´s ok Khorasan´s declara como descoberta pessoal a Cannabis e sua subseqüente difusão pelo Iraque, Egito e Síra. Muitas narrativas da época declara que o uso da maconha é inebriante.
1200A monografia mais antiga sobre o haxixe foi escrita. Seus escritos, infelizmente, perdidos.
1200Os árabes levam plantas da erva para à costa de Moçambique na África.
1231O haxixe é introdizido no Iraque pelo calife Mustansir.
1271-1295Durante os relatos da viagem de Marco Polo ao oriente ele relata a história dos assassinos do velho da montanha e do uso de haxixe feito pos estes. Foia primeira vez que um relato sobre a Cannabis teve repercussão na Europa.
1378O otomano Emir Soudoun Svheikouuni foi o primeiro soberano a se manifestar contra o uso do haxixe para aliemntação.
1526Babur Nana, o fundador do império Mouro, aprende sobre o uso do haxixe no Afeganistão.
1549Escravos angolanos trazem brotos de Cannabis para as plantações de cana-de-açúcar no nordeste do Brasil. Os senhores permitiam que eles plantassem Canabis entre as canas e que fumassem ela durante a colheita.
1550O poema épico Benk u Bode, escrito por Mohameed Ebn Soleimam Foruli, de Bagdá, desenvolve uma alegoria dialética a respeito da batalha entre o vinho e o haxixe.
1600O uso de haxixe, álcool e ópio se dissemina pela população de Costantinopla.
1606-1632Os franceses e britânicos cultivam a erva de cannavis nas colônias de Port Royal, Virgínia e Plymouth.
1690O haxixe se torna a principal moeda de troca entre a Ásia central e o sul da Ásia.
1798Napoleão dercobre o habitual uso de haxixe pelos egípcios. Ele proíbe seu uso, mas os soldados retornam a França com a tradição de seu uso.
1800A produção de haxixe se expande pela Rússia e China.
1809Antoine Sylvestre, um estudioso árabe , associa a eimológia das palavras haxixe e assassino.
1840Na América, a preparação medicinal da cannabis é permitida. O haxixe se encontra a venda em farmácias persas.
184É inaugurado o clube do haxixe em Paris, França.
1843O haxixe aparece na Grécia.
1870-1880Primeiro relato do fumo de haxixe na Grécia. O cultivo da erva é difundido pela região.
1890O governo grego poribe o uso e cultivo do haxixe.
1890O haxixe se torna ilegal na Turquia.
1893- 1894É criado, na Índia, um comitê de drogas feitas de maconha.
1893-189480 toneladas de haxixe são legalmente importandas da Ásia Central para aÍndia.
1906É regularizado, na Ásia, o comércio de produtos que contenhma álcool, ópio, cocaína, Cannabis, entre outros.
1910No Oriente Médio, o fumo de haxixe é extremamente popular.
1915-1927A maconha se torna proibida nos estados americanos de Califórnia, Texas. Louisiania e Nova Iorque.
1920Metaxus, ditador grego, proíbe o uso de haxixe.
1920Haxixe é proibido no Egito, Grécia, Turquia e Ásia Central.
1926A produção libanesa de haxixe é proibida.
1928O uso recreativo da cannabis é proibido na Inglaterra.
1920-1930Uma maconha de alta qualidade é produzida na Turquia na região de fronteira com a Grécia.
1930A China exporta cerca de 90 toneladas de haxixe legalmente para a Índia.
1930Os impostos sobre haxixe continuam sendo cobrados legalmente na índia e Ásia Central.
1934-1935O governo chinês acaba com os cultivos de Cannabis, assim como seu tráfico. O haxixe produzido legalmente e ilegalmente se torna totalmente ilegal em toda a China.
1936Uma porpaganda produzida pelo governo norte-americano tem como objetivo evitar que jovens se utilizem de maconha.
1937A maconha se torna ilegal em todos os estados na América do Norte
1938O estoque de haxixe na China quase se esgota.
1940A tradição grega de fumar haxixe cai por terra.
1941O governo indiano considera cultivar haxixe na região da Kashemira, já que a produção chinesa sessou.
1941-1942A região do Nepal se torna fornecedora de haxixe para a Índia durante a Segunda Guerra Mundial.
1945O consumo de haxixe continua legalizado na Índia.
1945-1955O uso de haxixe floresce na Grécia novamente.
1950O comércio de haxixe entre Índia e China continua proibido.
1962Marrocos produz sua primera leva de haxixe.
1963A polia turca apreeende 2,5 toneladas de haxixe.
1965Primeiro relato da produção de haxixe no Afeganistão.
1965O Governo marroquino destrói todas as plantações de haxixe em sua cadeia de montanhas.
1967O primeiro óleo a base de haxixe é produzido na Califórnia.
1969O haxixe afegão se populariza
1970-1973Imensos campos de Cannabis são cultivados pelo Afeganistão. Muitos anos depois, a produção desse cultivo estaria disponível à venda.
1972O governo do presidente norte-americano Richard Nixon estuda que o uso medicinal da maconha seja legalizado, mas o pedido é negado. Pesquisas médicas sobre o assunto dão continuidade.
1973Uma maconha libanesa de alta qualidade é exportada pela Europa.
1973A produção da varoação afegã da macanha é introduzida na América do Norte.
1973O Nepal bane as lojas de canabis, bem como sua exportação.
1973O governo afegão torna a produção e venda de haxixe ilegal.
1975As nações unidadas criam um comitê para estudar o uso medicinal da maconha.
1978Algumas plantações de Cannabis ainda são encontradas pelo Nepal, apesar da proibição.
1980O Marrocos é um dos poucos países há ainda produzir e exportar maconha.
1980Haxixe é produzido na fronteira do Paquistão com o Afeganistão durante a guerra entre soviéticos e afegãos.
1980A qualidade do haxixe libanmes decai.
1983-1984Algumas levas de haxixe turco de alta qualidade aparecem no mercado.
1985Uma pequena produção de haxixe é feita ilegalmente na China.
1986Os estoques de haxixe afegãos se esgotam completamente na Holanda e América.
1987O governo marroquino novamente destrói cultivos de Cannabis em seu território.
1988O uso medicinal de maconha é legalizado pelas Nações Undias.
1993A maconha é erradicada totalmente do Marrocos.
1994A produção de haxixe ainda é feita na fronteira do Paquistão.
1995Amsterdam cria os coffe-shops para uso e apreciação de maconha.
2001O secretário de Estado da Inglaterra, David Blunkett, propõe que a maconha não seja mais classificada como droga ilegal mas seu pedido é negado.
2003 O Canadá torna-se o primeiro país no mundo a utilizar marijuana de forma medicinal.