Search Here!!!

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Marcha da Maconha 2011

Ai galera da erva, segue abaixo os locais e datas de onde acontecerão as Marchas.
Contamos com todos os amantes e simpatizantes da maconha.

 



7 DE MAIO
RIO DE JANEIRO
Jardim de Alah, 14h
tags subscribe

15 DE MAIO
NITERÓI
Praia de Icaraí, 14h
tags subscribe

21 DE MAIO
SÃO PAULO
MASP, 14h
tags subscribe

22 DE MAIO
RECIFE
Recife Antigo - Torre Malakof, 14h
tags subscribe

27 DE MAIO
BRASÍLIA
Catedral, 14h

28 DE MAIO
FORTALEZA
Praça da Bandeira, 14h
tags subscribe

NATAL
Largo do Bar Astral, 14h
tags subscribe

SALVADOR
Campo Grande, 14h20

Sua cidade não esta na programação?
Ainda da tempo de inscrever a sua cidade para a Marcha da Maconha 2011. Entre no site marchadamaconha.org procure pessoas da sua cidade, organize-se!

Confirme a participação da sua cidade.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Pílula de maconha melhora o apetite e o sono de pacientes com câncer

O consumo de um composto extraído da maconha têm efeito benéfico em pacientes com câncer que perdem o apetite e o paladar devido a tratamentos como quimioterapia, segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Alberta e Edmonton, no Canadá, e publicado na revista "Annals of Oncology".
Pessoas que sofrem de câncer perdem o apetite em decorrência da doença e dos tratamentos que afetam sentidos como paladar e olfato. Assim eles terminam comendo menos e ficam ainda mais vulneráveis ao tumor. A experiência foi realizada com apenas 21 pacientes com metástases e com a metodologia duplo-cego, na qual médicos e voluntários não sabem o que estão receitando e tomando, respectivamente. Então 11 receberam cápsulas com 2,5mg a 5mg, podendo chegar a 20mg, do princípio ativo da maconha (o tetrahidrocanabinol, o THC) durante 18 dias, e o restante tomou pílulas inativas (placebo).

Os resultados mostraram que o grupo que recebeu o THC aumentou o interesse pela comida em 73%, contra, 30% do grupo controle. Além disso, 55% disseram que o paladar melhorou, e apenas 10% no grupo controle. Pelo menos 64% recuperaram o apetite. Já no grupo placebo nenhum dos pacientes teve o mesmo benefício. Os pacientes que tomaram o composto relataram ainda que passaram a dormir melhor e se sentiam mais relaxados.

- Esta é a primeira pesquisa clínica aleatória que demonstra que o THC ativa o sentido do paladar e o apetite em pacientes com tumores avançados, ao mesmo tempo que relaxa e melhora o sono. Os dados são surpreendentes - disse o professor Wendy Wismer, da Universidade de Alberta.

Agora os pesquisadores precisam fazer testes com um número maior de pacientes para confirmar os dados e saber se não há efeitos colaterais com o composto. Apesar de comerem mais proteínas, a melhora do apetite dos pacientes não significou um maior consumo de calorias, uma medida importante para melhorar a nutrição nesses casos.

Casa de Canhamo aguenta furacões...

Casa é feita de maconha e palhaArquitetos dizem que imóvel construído com fibra de cânhamo é capaz de aguentar até furacões

Arquitetos de uma universidade inglesa acabaram de inventar uma casa feita de palha e fibras da planta de maconha. Segundo o jornal britânico Daily Mail, após desenvolver o material com estas matérias-primas e montar a casa, os pesquisadores fizeram testes e comprovaram que o imóvel é forte ao ponto de aguentar um furacão.

Os arquitetos brincam e dizem que esta casa coloca a baixo a história dos três porquinhos, na qual o lobo derruba a casa feita de palha apenas com um sopro. A casa foi desenvolvida em uma parceria entre a University of Bath, na Inglaterra, e o escritório de arquitetura ModCell. Juntos, os profissionais pesquisaram as possibilidades que a palha traz como material de construção sustentável.

Além de testar a casa contra furacões, os pesquisadores colocaram o imóvel em situações de alta e baixa temperatura e tremores. Desde outubro, o protótipo vem sendo estudado, mas só agora foi apresentado ao público.

Menino de 2 anos faz tratamento com maconha contra tumor no cérebro


Um menino de apenas dois anos e seis meses de idade é uma das pessoas mais jovens do mundo a fazer tratamento medicinal com maconha. O pequeno norte-americano Cash Hyde foi submetido a uma cirurgia para retirar um câncer no cérebro e faz controle para que o tumor não retorne, segundo o site "KTLA News".

Os pais de Cash disseram que a maconha faz com que a criança suporte os efeitos da quimioterapia, além de aumentar o apetite e melhorar a qualidade do sono dele. Antes de começar a ingerir comida misturada com maconha, o menino chegou a ficar 40 dias sem se alimentar, até que chegou ao estágio de não conseguir nem mesmo levantar a cabeça. Para sobreviver, ele recebia nutrientes que eram injetados na circulação.


No estado de Montana, 51 pessoas com idade inferior a 18 anos usam a maconha para fins medicinais. Levando em consideração os Estados Unidos, 28 mil pacientes de diversas idades se tratam com a maconha

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Linho de Cannabis é ecologicamente correto...

Com mais de 100 expositores dividos em 60% nacional e 40% internacional, acontece, entre os dias 19 e 20 de janeiro, no Transamerica Expo Center, o Première Brasil.Sob a chancela da tradicional feira parisiense, Première Vision, a brasileira Fagga/GL Events, aquece o mercado têxtil com a 3ª edição do evento, que consagra-se como o maior salão têxtil da América Latiina e espera receber mais de cinco mil visitantes, ávidos por conhecer as novidades da temporada Primavera/Verão 2012 em tecidos, fios, fibras e acessórios da indústria têxtil.

Linho de Cannabis é ecologicamente correto - Estamos falando da Cannabis Ruderallis. O cânhamo obtido desta controversa planta é uma fibra muito versátil no universo têxtil, por ser semelhante ao linho, e, por isso, é muito cultivado em várias partes do mundo, com grande destaque na União Européia - que legalizou e autorizou o plantio, inclusive com subsídio ao linho de cânhamo.

No Brasil, por ser proibido o plantio, a fibra ainda não se popularizou e muitos desconhecem a diferença entre a Cannabis Sativa (maconha) e a Cannabis Ruderallis, de onde pode- se obter as fibras adequadas para a confecção de peças de vestuário.

Contudo, mesmo com estes empecilhos o mercado pode contar com esta polêmica fibra natural na linha Algo Hemp, que será apresentada pela empresa Malhas Menegotti.

Seguindo a linha de artigos ecologicamente corretos, a linha apresenta o visual natural e rústico como o grande diferencial. Além de evidenciar as fibras do cânhamo, que ficam em destaque pelo tom mais escuro, mesmo após o tingimento com corantes naturais

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Cannabis em excesso encolhe áreas do cérebro

Usuários de maconha de longo prazo podem ter reduzido duas importantes estruturas de seus cérebros

Escaneamentos cerebrais mostraram que o hipocampo e amígdala são menores em homens que eram usuários freqüentes de maconha, em comparação com não usuários. Os homens haviam fumado ao menos cinco cigarros de maconha diariamente pelos últimos 20 anos.

O hipocampo regula memória e emoções e a amígdala está criticamente relacionada ao medo e agressão.

Maconha é uma das substâncias mais seguras

O estudo publicado na revista científica American Medical Association’s journal Archives of General Psychiatry também descobriu que usuários intensos de cannabis tinham notas mais baixas do que os não usuários em tarefas de aprendizado verbal, tentando lembrar de uma lista com 15 palavras.

Os usuários de maconha também tinham mais tendência de exibir sintomas de distúrbios psicóticos moderados, mas não o suficiente para serem diagnosticados com tais distúrbios.

“Estas descobertas desafiam a percepção comum de que cannabis não tem ou exibe poucos efeitos prejudiciais no cérebro e comportamento”, disse Murat Yucel, da Universidade de Melbourne, que coordenou o estudo.

As descobertas sugerem que todos os usuários freqüentes estão vulneráveis a problemas de memória e sintomas psiquiátricos.

Em média o hipocampo dos consumidores de maconha era 12% e a amígdala 7% menores do que as mesmas estruturas nos não usuários.

Aproximadamente metade dos usuários de cannabis reportou algum tipo de paranóia ou recuo social, enquanto apenas um dos não usuários relatou tais sintomas. » 5 Passos para parar de fumar definitivamente

“Chapados” por 20 anos

Bruce Mirken, porta-voz do grupo Marijuana Policy Project, que objetiva a legalização da maconha nos EUA, disse que “Estas são pessoas que estiveram chapadas essencialmente o dia todo durante 20 anos. Este estudo não diz nada sobre consumo moderado ocasional, que são a vasta maioria — e o próprio estudo admite isso.”

“Os danos documentados causados pelo uso similarmente pesado de álcool ou tabaco são mais sérios e não é necessário exames de alta tecnologia para encontrá-los”, adicionou Bruce.

Murat disse que já começou novos estudos sobre os efeitos de curta e longa duração com uso pesado e moderado de maconha.

Consumo de maconha pode estar associado a doença psicótica em jovens

Meta-estudo mostra que transtorno aparece mais cedo em quem faz uso da substância


O consumo de maconha parece estar associado com o início antecipado de doenças psicóticas, de acordo com uma análise de estudos publicados anteriormente em versão online e que aparecerá na edição impressa de junho da revista Archives of General Psychiatry, de acordo com informações da ScienceDaily.

Mais de 16 milhões de americanos usam maconha regularmente, sendo que a maioria começou a usar esta e outras drogas durante sua adolescência, de acordo o artigo. "Há pouca dúvida sobre a existência de uma associação entre uso de substâncias e doenças psicóticas. Inquéritos nacionais (americanos) sobre saúde mental têm continuamente encontrado o uso de substâncias, especialmente o consumo de cannabis, entre pessoas com o diagnóstico de um transtorno psicótico", escrevem os autores.

Matthew Large e outros três pesquisadores da Universidade de New South Wales e Prince of Wales Hospital, na Austrália, identificaram 83 estudos envolvendo 8.167 participantes que consumiram maconha ou outras substâncias e 14.352 indivíduos que não. Todos os estudos compararam a idade de início de psicose entre os dois grupos.

A análise revelou que as pessoas que consumiram maconha desenvolveram psicose cerca de 2,7 anos antes do que aqueles que não fizeram uso de maconha. Aqueles que usaram algum tipo de substância desenvolveram psicose cerca de dois anos mais jovens, enquanto o uso apenas de álcool não foi associado com a idade de início da psicose.

Segundo os pesquisadores, os resultados atuais corroboram a tese de que o uso da maconha precipita a esquizofrenia e outros transtornos psicóticos, possivelmente através de uma interação entre os distúrbios genéticos e do ambiente, ou interrupção do desenvolvimento cerebral

Usuários de maconha podem enfrentar disfunção erétil...

A maconha é certamente um produto polêmico. Defensores e acusadores trocam benefícios e desvantagens da planta há anos. Porém, segundo novas pesquisas, os usuários masculinos da maconha deveriam mesmo repensar seu consumo, pois uma das consequências pode ser disfunção sexual.

Essa novidade pode ser o ponto para mudar de vez a cabeça de algumas pessoas. O consumo da maconha é popular hoje em dia, mesmo que ela seja proibida em muitos lugares, especialmente entre os homens no auge da vida sexual. O Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime relatou que 162 milhões de pessoas fumam maconha em todo o mundo a cada ano. Mais de 22 milhões a consomem diariamente; isso torna a compreensão de seus efeitos a longo prazo importante.

Os estudos sobre o tema são às vezes de baixa qualidade, mas uma nova revisão de pesquisas sobre saúde sexual e maconha produziu resultados mais sólidos, como a conclusão de que o pênis contém receptores para o ingrediente ativo da maconha, o que sugere que os homens fumantes correm riscos de encarar a disfunção.

O histórico dos estudos nessa área é contraditório. Os cientistas começaram a estudar a maconha e o sexo em 1970. Alguns pesquisadores descobriram que a cannabis parece ter o efeito de uma droga do amor. Em 1982, 75% dos fumantes de maconha alegou em um estudo que a droga reforçava suas vidas sexuais.

Enquanto isso, outro estudo do mesmo ano descobriu que a disfunção erétil era duas vezes mais comum em usuários de maconha. Outros estudos ainda sugerem um efeito dose, em que pequenas quantidades de maconha têm pouco impacto sobre a disfunção sexual, mas maiores quantidades produzem menos ereções.

Porém, todas essas pesquisas são cheias de falhas. Nenhum dos estudos utilizou técnicas de medição validadas ao examinar a função sexual dos homens. As perguntas usadas poderiam distorcer as respostas, como poderia a própria droga. Por exemplo, os 39% de homens que disseram que a maconha prorrogou o sexo pode apenas ter experimentado os efeitos da droga que alteram a percepção do tempo.

Já um estudo de 2010 que descobriu receptores de tetrahidrocanabinol (THC), ingrediente ativo da maconha, no tecido do pênis de cinco pacientes do sexo masculino e seis macacos é preocupante.

Segundo os pesquisadores, esses receptores estavam principalmente na musculatura lisa do pênis. Estudos de laboratório adicionais sugerem que o THC tem um efeito inibitório sobre o músculo; um efeito sério sobre a função erétil, já que o músculo liso constitui 70 a 80% do próprio pênis.

A opinião dos especialistas é que faltam estudos clínicos, pesquisas controladas com placebo que analisem os efeitos da maconha em ambos curto e longo prazo. A partir disso, os resultados mais confiáveis poderão se transformar em campanhas de conscientização

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Fibra de Cannabis é usada em bolsas

Fibra de Cannabis é usada em bolsas
Marca australiana Sir Tom fabrica clutches pintadas à mão.

Com a sustentabilidade em voga, a utilização de fibras e técnicas de pintura diferentes são cada vez mais comuns. A marca australiana Sir Tom é exemplo deste movimento ao criar bolsas clutch com cânhamo, variedade de planta que pertence ao gênero Cannabis, e tintas à base de água.

Anne Waters, responsável pelo processo artesanal de criação das peças, utiliza estênceis para aplicar as estampas que ela desenvolve. As cores dos modelos são variadas e com um leve aspecto desbotado, enquanto seus motivos favoritos são elementos da natureza, como flores e folhas.

O cânhamo é um material que fica cada vez mais bem visto pela moda, sobretudo em função de seu baixo impacto ambiental. Ainda que controverso em certas partes do mundo por ser confundido com maconha, seu cultivo tem normas específicas e muitos governos subsidiam a cultura do cânhamo.


Documentário oficial sobre Bob Marley em 2011

Kevin MacDonald, diretor do documentário "One day in september" está trabalhando em seu próximo projeto: documentário sobre a vida do cantor jamaicano Bob Marley. Será a primeira vez que um diretor contará a história do astro com a autorização da família.

O filho de Bob Marley, Ziggy Marley, foi quem procurou MacDonald para fazer o documentário sobre seu pai. "Nós procuramos Kevin inicialmente por ele ser um documentarista famoso, mas o que foi mais importante para mim e minha família é a sua óbvia paixão e interesse pela vida de meu filho, como músico e como pessoa", disse.

A obra deve ter vários documentos oficiais e informações importantes nunca antes divulgadas, já que a família autorizou o projeto. "É impossível descobrir exatamente como Bob era, mas nossos espectadores com certeza vão sentir como se o conhecessem bem melhor após ver nosso documentário. Estou muito agradecido à família Marley por terem confiado a mim o seu legado", agradeceu o diretor.

Com o nome inicial de "Marley", o documentário deve ter cenas rodadas ainda este ano na Jamaica, Gana, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, e a estreia também deve acontecer em 2011, quando completam 30 anos da morte do cantor

Emprego do ano, critico de maconha!

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

México apreende 4 toneladas de maconha em camião de azeite

Cerca de 4 toneladas de maconha foram apreendidas em um camião que transportava azeite no Estado de Sonora, norte do México, de acordo com a polícia local.

A Secretaria de Segurança Pública disse que o veículo se dirigia a Tijuana, fronteira com a cidade de San Diego, nos Estados Unidos, quando foi interceptado por agentes federais.

O motorista do automóvel, Nelson Peralta, se contradisse diversas vezes ao ser interrogado pelos oficiais, que detectaram também um cheiro característico da droga, que foi posteriormente encontrada entre a carga de azeite.

Peralta, 35, foi preso e espera uma decisão do Ministério Público. Além da maconha, foram encontrados 18 quilos de uma outra droga, que a polícia supõe ser "crystal meth", narcótico é muito popular no país.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Cannabis é motivo de orgulho nas montanhas do Colorado

Em Nederland, usos medicinal e recreativo da substância se misturam.
Para defensores, 'padrão' vem do melhor conhecimento da marijuana.


Milhões de americanos expressaram sua opinião sobre maconha nas recentes eleições de meio de mandato. No Colorado, 24 comunidades votaram para banir ou restringir lojas que vendem maconha legalmente, para uso médico. Na Califórnia, os eleitores se dividiram na questão da legalização da erva para uso recreativo – envolvendo itens como saúde, criminalidade e impostos – e votaram contra.
Mas aqui em Nederland foi apenas mais um belo dia nas montanhas.

A maconha tem estado em voga neste posto avançado da contracultura, a 2.438 metros de altura nas Montanhas Rochosas e uma hora a noroeste de Denver, desde os dias dos "bagulhos" do tamanho de um cigarro de Bob Marley e das piadas de Cheech e Chong.
A julgar pelos números, as coisas não mudaram tanto.

Uma aumento expressivo nas vendas de maconha para uso medicinal no último ano aqui no Colorado, assim como no Distrito de Columbia e outros 13 estados onde esse uso é permitido, certamente trouxe um novo elemento para a mistura. Lojas como a Grateful Meds, um dos sete fornecedores de maconha para uso medicinal em Nederland, cuja população é de 1.400 habitantes, agora possuem advogados para o cumprimento da lei e recibos de recolhimento de impostos sobre vendas na gaveta de dinheiro.
Mas maconha ainda é maconha, e a posição de Nederland sobre o que John Denver imortalizou como "a viagem das Montanhas Rochosas do Colorado" não mudou.

Registros estaduais mostram que a concentração de pacientes que utilizam maconha para fins medicinais e lojas que vendem cannabis para esse fim é maior nesta antiga área hippie do Colorado do que em qualquer outro local do estado.

Susan Eisman, da loja de maconha medicinal Grateful Meds, em Nederland, Colorado, em 28 de outubro.

Em Gilpin County, por exemplo, que começa na entrada de Nederland, quase um em cada 20 moradores se qualifica para o tratamento com cannabis – o nível mais alto no Colorado, e mais de três vezes a média do estado. A lei estadual, aprovada por um referendo de eleitores em 2000, permite o tratamento com maconha para uma lista de enfermidades, de câncer a dor crônica, se um médico verifica a necessidade.

E os médicos vêm fazendo um favor. O padrão "doente o suficiente para fumar maconha" se estende pelo oeste de Nederland, através de um arquipélago de comunidades que foram igualmente tingidas de tie-dye uma geração atrás e agora são a base para a indústria de turismo e resorts do estado.

Os condados de Summit e Pitkin, lar de cidades conhecidas pela prática de esqui, como Breckenridge, Keystone e Aspen, se orgulham de uma cultura saudável de atividades a céu aberto, mas também possuem uma quantidade desproporcional de casos de dor debilitante diagnosticada em jovens rapazes na casa dos 20 e poucos anos, como mostram registros do estado.

"Quem imaginaria dores tão severas afligindo os homens do Colorado?", disse Ron Hyman, registrador do estado de estatísticas e diretor do programa de maconha para uso medicinal do Departamento de Saúde Pública e Ambiente do Colorado.

Moradores de Nederland, como Hal Mobley, 56 anos, que estava a caminho da barbearia, perguntou mais ou menos a mesma coisa. A maconha faz parte da vida local, ele disse – não está mais disponível, nem menos, o uso continua o mesmo de décadas atrás.

"É para dor?", ele disse, protegendo os olhos por causa do sol.

Algumas das variedades de maconha disponíveis na Grateful Meds.

Bem, a maconha também é um bom remédio para o orçamento municipal de Nederland. A arrecadação de impostos está em alta – em parte devido aos turistas que gastam dinheiro em restaurantes e lojas, mas muito mais em decorrência das vendas de maconha.

Somente em junho, enquanto muitas comunidades nos Estados Unidos ainda sofriam com a estagnação econômica, os impostos sobre vendas coletados em Nederland subiram 54% em relação a junho de 2009. Sem o imposto coletado sobre a maconha, o aumento seria de 22%.

"Já estava aqui, provavelmente uma capacidade ilegal, há muito tempo, mas agora há uma oportunidade para a indústria", disse o prefeito de Nederland, Sumaya Abu-Haidar. "Há uma oportunidade de livre iniciativa, para as pessoas ganharem a vida de uma forma que não estava disponível antes".
Philip Dyer, 45 anos, músico local, colocou de outra forma. O governo, ele disse, "finalmente ficou esperto o suficiente para regular e cobrar o preço".

Defensores da maconha para uso medicinal dizem que o padrão – uso medicinal mais predominante em lugares de uso historicamente recreativo – é simplesmente um reflexo do melhor conhecimento sobre a droga e suas propriedades. Pessoas de comunidades onde a maconha é aceita, eles dizem, sabem mais sobre seus benefícios medicinais do que a população de outras partes do estado, onde os pacientes de maconha são raros.
Mesmo assim, os moradores dizem que as coisas estão mudando.

De acordo com autoridades municipais, uma mudança demográfica nos últimos anos, com mais famílias, profissionais, trabalhadores da área de tecnologia e pessoas que trabalham em casa, criou tensões sobre questões de crescimento, desenvolvimento, turismo – e maconha, com muitos dos recém-chegados menos entusiasmados do que a velha guarda em relação à reputação de "maconheira" de Nederland.

No início deste ano, Nederland se tornou a terceira comunidade no Colorado a descriminalizar o uso recreativo da maconha. Porém, o voto, em grande parte simbólico, já que o uso recreativo ainda é ilegal de acordo com leis estaduais e federais, dividiu profundamente a comunidade. A legalização foi aprovada, mas por apenas 41% dos 477 votos computados. Uma proposta para realizar um festival de cannabis na cidade enfrentou grande oposição e foi recusado.

Entretanto, a cidade ainda tem reputação de ter boa maconha, um orgulho sobre o qual a advogada da Grateful Meds, Susan Eisman, fica feliz em falar, durante uma visita à loja. Enquanto muitas lojas têm talvez cinco variedades de maconha à disposição, a Grateful Meds possui 30, e atende a cerca de 300 pacientes.

"Temos pacientes que vêm de todo o estado do Colorado", disse Eisman. "E o principal motivo é a qualidade, quantidade, seleção e reputação. Outro dia um paciente veio de Longmont, a uma hora daqui, porque gostava de um tipo particular de maconha e não consegue obtê-lo em nenhum outro lugar."

Raspadinhas perfumadas com maconha são destribuídas na Holanda

Trinta mil cartões perfumados com maconha estão sendo distribuídos a partir desta segunda-feira a moradores de Haia e Roterdão para divulgar a luta contra as plantações ilegais da erva, anunciaram as autoridades holandesas.

"Os habitantes devem saber do perigo que correm por causa dessas plantações e, caso se deparem com situação suspeita, devem denunciar", declarou Arnie Loos, um porta-voz do Grupo de Trabalho sobre a Cultura Organizada da Cannabis, implementada pelo governo holandês, ao longo de uma coletiva de imprensa em Roterdão.

"Ajude a lutar contra as plantações de maconha" era a mensagem escrita no cartão verde, com cerca de 20 cm X 10 cm, que fornecia também o número da polícia.

Esta é a primeira operação do tipo na Holanda, segundo seus organizadores.

A Holanda, onde é tolerado o cultivo de cinco plantas no máximo, conta, segundo uma estimativa, com cerca de 40.000 plantaçõees ilegais, adaptadas em sótãos, apartamentos ou hangares. De 5.000 a 6.000 são descobertas anualmente, segundo as autoridades holandesas.

Descriminalização da maconha: 63 deputados a favor, 298 contra

Vale deputado maconha
Levantamento do G1 ouviu parlamentares sobre a descriminalização da maconha.
Dos 513 políticos que farão parte da nova Câmara, 414 responderam.
À pergunta "É a favor da descriminalização do uso da maconha?", 298 disseram "não", 63, "sim", 21, "em termos", e 32 não souberam responder, totalizando 414 dos 513 deputados que farão parte da nova legislatura, que se inicia na terça-feira (1º).

Os 298 que se declaram contra a descriminalização da maconha representam 58% dos 513 que comporão a Câmara e 71,9% dos 414 que responderam ao questionário.

O último projeto sobre a descriminalização do uso da maconha no Brasil foi apresentado na Câmara em dezembro de 2001, pelo ex-deputado Marcos Rolim, do Rio Grande do Sul, na época no PT.

A proposta do ex-deputado era que não fosse considerado crime o porte de até 5 gramas de maconha. O projeto não passou nas comissões da Casa e acabou arquivado.

A maioria absoluta dos futuros deputados se diz contra a descriminalização do uso da maconha, segundo levantamento feito pelo G1.

Cenas de Miley Cyrus fumando maconha são cortadas de filme



Produtores de 'LOL: Laughing Out Loud' não querem qualquer relação com o último escândalo protagonizado pela cantora.

Os produtores do filme "LOL: Laughing Out Loud" cortaram as cenas em que Miley Cyrus aparece fumando maconha. No filme, a cantora vive uma menina problemática, filha do personagem de Demi Moore.

Tudo para que ninguém relacione o filme com o último escândalo em que Miley se meteu. A cantora foi filmada fumando sálvia em dezembro de 2010.